Niterói lança moeda social e faz homenagem a fundador da cidade

Em cerimônia realizada na manhã desta quinta-feira, a prefeitura de Niterói anunciou o lançamento da moeda social Arariboia. Durante o evento, prefeito Axel Grael também anunciou a criação do “banco comunitário”, que também se chamará Arariboia, cuja a primeira agência será instalada na comunidade Vila Ipiranga, no bairro do Fonseca, zona norte da cidade.

A cerimônia contou com a presença do vice-prefeito, Paulo Bagueira, do secretário de assistência social e economia solidária, Vilde Dorian, da secretária de planejamento, Ellen Benedetti, da secretária de fazenda, Marilia Ortiz, entre outras autoridades.

O projeto de criação da moeda e do banco social será encaminhado para a câmara de vereadores como parte integrante de um pacote de ações da política pública municipal de combate à pobreza e de desenvolvimento econômico e social de Niterói. A moeda Arariboia foi elaborada pela equipe da Secretaria de Assistência Social e Economia Solidária, sob a supervisão direta do secretário Dorian.

“Nós vivemos um momento de muita preocupação no mundo e em nosso país. Segundo o Banco Mundial, essa pandemia levou mais de 150 milhões de pessoas para a pobreza. No Brasil, nós estamos vivendo uma situação de desemprego que atinge quase 15% da população. O Brasil tem hoje mais de 61 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza. O Rio de Janeiro, nosso estado, vive também uma situação recorde em sua taxa de desemprego, com cerca de 1 milhão e 600 mil desempregados. Um drama que estamos vivendo em função da crise econômica, agravado pela crise política, pela crise sanitária. Uma situação muito grave”, destacou o prefeito Axel Grael durante a abertura da cerimônia.

Em seu pronunciamento, o prefeito recordou que Niterói foi a primeira cidade do estado a registar a presença da Covid-19 e também onde foi registrado o primeiro óbito. De acordo com Axel, foi a iniciativa pioneira do então ex-prefeito, Rodrigo Neves, como a criação do Gabinete de Crise, por exemplo, que tornou possível a cidade iniciar o processo de recuperação de sua economia de maneira mais rápida e mais consciente das responsabilidades sociais que o “novo normal” exige da gestão pública.

“Dentro desse processo, nós vamos apresentar, nas próximas semanas, um plano de retomada da economia e o que vamos lançar aqui hoje já é uma dessas medidas, aquela que mais irá impactar a vida das pessoas que mais precisam de apoio da prefeitura”, desabafou o prefeito.

A proposta é que a moeda e o banco social auxiliem os microempresários e os empreendedores da cidade de Niterói através de microcréditos e iniciativas locais, levando a atividade econômica para dentro das comunidades. A prioridade é destinar a nova moeda social Arariboia às pessoas cadastradas no CadÚnico.

O critério de apoio às famílias terá como limite o valor de R$ 90 por pessoa, que serão pagos mensalmente. Uma mesma família poderá acumular até seis pessoas cadastradas no benefício. O limite máximo por família pode chegar a R$ 540. Os beneficiados pelo programa poderão utilizar a Moeda Arariboia no pagamento de compras efetuadas em estabelecimentos credenciados do comércio de Niterói.

A prefeitura de Niterói investirá R$ 5,6 milhões por mês no programa, somando um investimento anual de R$ 68 milhões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis − 2 =