Niterói já está vacinando adolescentes de 12 a 18 anos contra Covid-19

Foi dada a largada para a campanha de vacinação contra a Covid-19 para adolescentes a partir de 12 anos com comorbidades ou deficiência permanente, na cidade de Niterói. Primeira cidade do Estado do Rio de Janeiro a iniciar a imunização deste público, o município está disponibilizando a vacina na Policlínica Carlos Antônio Silva, em São Lourenço, e no drive thru do Campus do Gragoatá da Universidade Federal Fluminense (UFF), em São Domingos. A vacinação teve início nesta quinta (22) e sexta (23) com jovens de 16 e 17 anos. A cada semana, a Secretaria Municipal de Saúde vai divulgar o cronograma de imunização, já que a aplicação depende da chegada de remessas do imunizante, enviadas pelo Ministério da Saúde.

“Nosso esforço é vacinar todos os niteroienses o mais rápido possível e com segurança. Esses jovens receberão a vacina da Pfizer, atualmente a única com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação neste grupo no Brasil. A previsão é que cerca de dois mil jovens da cidade sejam imunizados contra a Covid-19”, explica o prefeito de Niterói, Axel Grael.

Quem fizer parte do público-alvo deve buscar um dos dois postos de vacinação e apresentar documento de identificação, CPF, comprovante de residência e laudo médico indicando a condição clínica e a indicação de aplicação do imunizante da Pfizer. Serão vacinados os jovens com comorbidades ou deficiência permanente listadas no Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde.

“Esse é um momento muito importante da campanha contra a Covid-19 em nossa cidade. Com o avanço da vacinação em Niterói, que já ultrapassou 80% da população acima de 18 anos, podemos ampliar a oferta da vacina para os adolescentes, alcançar ainda mais pessoas e salvar vidas. Iniciamos hoje a vacinação dos jovens de 16 e 17 anos e, com a chegada de novas doses, vamos avançar com a imunização por faixa etária até vacinarmos todos até 12 anos”, disse o secretário de Saúde, Rodrigo Oliveira.

Maria Fernanda, 17 anos, portadora de síndrome de Down, foi a primeira adolescente a se vacinar. “Vim me vacinar porque eu quero muito encontrar meus amigos. Estou há muito tempo sem encontrá-los por conta da pandemia. Namoro há três anos e estou sem encontrar meu namorado, estou com muita saudade de todos os meus amigos também. Estou muito feliz, quase sem acreditar,” disse Maria Fernanda , comemorando. A mãe da jovem, Beatriz Froés, não escondeu a emoção ao dizer que a filha foi vacinada graças à sensibilidade da prefeitura, que abriu o calendário para essa faixa de idade com comorbidades.

Maria Fernanda e Maria Eduarda: as duas primeiras adolescentes a serem vacinadas contra a Covid-19 em Niterói

“A vacinação vai permitir que nossos filhos possam voltar para as suas atividades, para os seus tratamentos, porque diferentemente dos outros adolescentes sem comorbidades e sem deficiência, os nossos filhos apresentam regressão importantíssima em toda a sua vida. Quando paralisam os tratamentos, eles regridem, e isso é comprovado cientificamente. É muito necessária essa vacinação até porque as comorbidades e as deficiências implicam numa maior gravidade caso eles adquiram a doença, ” desabafou Beatriz aliviada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × cinco =