Niterói e São Gonçalo: Violência sexual contra menores é alarmante

Desde quarta-feira (8), a população passou a ter acesso à plataforma ISPCidades que, por meio de indicadores, mostra a realidade da violência em todo o Estado, inclusive casos contra menores de idade. O drama vivido por crianças vítimas de abusos sexuais em Niterói e São Gonçalo foi assunto de reportagem na edição de quarta-feira (8) do jornal A TRIBUNA.

De acordo com dados mais recentes da plataforma, que são disponibilizados anualmente, Niterói registrou 88 vítimas de estupro tendo entre zero e 17 anos de idade, em 2020. Isto representa a concentração de 2,5% dos casos registrados em todo o Estado no ano, que totalizaram 3.454. A cidade também teve 16 vítimas de outras violências sexuais, 5,9% dos casos registrados em todo o estado do Rio de Janeiro, que foram 388.

Em São Gonçalo, a concentração de casos foi maior. No ano de 2020, o município teve 139 casos de estupro, o que representou 5,7% do total de 3.454, registrado em todo o Rio de Janeiro. Casos de outras violências sexuais também tiveram concentração maior. 17 casos, o que representa 6,3% do total estadual, de 388. É importante salientar que o ISP considera dados do IBGE referentes à população de cada cidade: São Gonçalo: 1.091.737 habitantes; e Niterói: 515.517.

Para o Instituto de Segurança Pública, a ferramenta é importante para que os gestores consigam planejar melhor a estruturação e aplicação de políticas públicas. O ISPCidades já está disponível em um painel de visualização gratuito para toda a sociedade e, através do CapacitaRJ, o instituto vai apresentar as funcionalidades da ferramenta para as 92 cidades do estado. A diretora-presidente do ISP, Marcela Ortiz, explicou como surgiu a ideia de criar o ISPCidades em palestra para servidores públicos municipais.

“As prefeituras têm uma posição estratégica e conseguem visualizar suas necessidades de forma mais clara, algo que pode ser difícil para outros entes federativos. O ISPCidades foi elaborado com o intuito de ajudar os 92 municípios e os órgãos estaduais a verem a realidade da segurança pública em um cenário micro. A verdade é que os nossos municípios têm realidades muito diferentes e é natural que os dados relacionados à segurança pública reflitam essas diferenças. Ao colocar o painel a serviço das cidades do estado, o ISP cumpre o seu principal papel, que é, há 22 anos, produzir informações e disseminar análises que subsidiem a implementação das políticas públicas e levantem o debate sobre a segurança pública, garantindo a participação social”, disse.

Estruturado para ser de fácil consulta, o ISPCidades permite ao usuário compreender aspectos e dinâmicas sociais e criminais que impactam a qualidade de vida no município. A ferramenta foi pensada de forma a sistematizar os indicadores nos eixos Espaço Público e Grupos Vulneráveis. No primeiro, é possível encontrar uma visão mais ampla dos conflitos sociais e criminais que acontecem nos municípios. Já no eixo Grupos Vulneráveis, o ISP disponibiliza dados de vitimização de grupos sociais específicos, que possuem características que os tornam mais suscetíveis a sofrerem determinadas violações de direitos. Em cada um dos dois eixos, o usuário acessa dimensões, que agregam indicadores criminais que possibilitam entender melhor os temas escolhidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.