Museu de Arqueologia de Itaipu terá ações de prevenção a incêndios

Anderson Carvalho –

O Museu de Arqueologia de Itaipu, na Região Oceânica, vai receber até o final do ano diversas ações de prevenção a incêndios e preservação do patrimônio histórico. Como a realização de curso de capacitação das equipes técnicas dos museus com abordagem de temas como combate ao princípio de incêndio, uso de extintores e ações imediatas de salvamento; e inspeções periódicas destinadas a apontar irregularidades e adequações necessárias à legislação de prevenção e combate a incêndio. Tudo isso graças ao acordo de cooperação mútua assinado na última quarta-feira entre o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.

O acordo visa adequar o museu e outros 15 no Estado aos parâmetros determinados pelos bombeiros. Como grande parte dos imóveis são tombados, há a necessidade de se respeitar as regras de patrimônio histórico. Para cada instituição será definido cronograma de trabalho e respectivas etapas, momento em que teremos condições de divulgar as medidas a serem tomadas e respectivos custos. Segundo o Ibram, a parceria com os bombeiros é de fundamental importância para a integração dos conhecimentos e experiências específicas detidas por ambas as instituições, visando fundamentalmente as ações de prevenção nos museus e seus acervos, contribuindo, assim, na construção de estratégias de preservação e difusão do patrimônio cultural brasileiro.

Enquanto os ajustes são feitos, os museus seguem funcionando normalmente. Eles já atendem requisitos básicos para funcionamento de acordo com o Ibram, que possui um Programa de Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, desenhado pela RCE – Cultural Heritage Agency of the Netherlands, o ICCROM – International Centre for the Study of the Preservation and Restoration of Cultural Property e o ICC – Canadian Conservation Institute.

Além do Museu de Arqueologia, os outros museus que passarão por adequação até o fim do ano são: Museu Casa de Benjamin Constant (Rio), Museu do Açude (Rio), Villa-Lobos (Rio), Casa da Hera (Vassouras), Casa Geyer (Rio), Museu Arte Sacra de Paraty, Forte Defensor Perpétuo (Paraty) e Casa Claudio de Sousa (Petrópolis). Estas unidades têm até 900 m², o que facilita a adaptação de acordo com os padrões exigidos pelo Corpo de Bombeiros. As demais unidades, por suas dimensões, terão um prazo maior para adequação.

Três museus no estado do Rio já estão em vias de receber certificado de regularização do Corpo de Bombeiros: Museu Histórico Nacional, Nacional de Belas Artes e Casa de Benjamin Constant, todos localizados na capital do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − dois =