Municípios do Conleste têm PIB superior a 15 Estados do Brasil

Destacando a importância do Conleste, para o qual elaborou um Plano Estratégico para 20 anos, o presidente da organização, o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, disse, nesta quarta-feira (13), na redação de A TRIBUNA que a soma do PIB dos seus 15 municípios que compõem o consórcio é superior à grandeza de 15 Estados brasileiros, entre eles, Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins.

Rodrigo Neves considerou importante a reunião que presidirá hoje, em Maricá, com a participação da Firjan e da Petrobras, na qual vai anunciar as metas para o funcionamento das importantes unidades do Comperj, a começar pela refinaria, no próximo ano e, logo após, a unidade de gás. Isto é motivo para se comemorar o início de uma era de geração de renda e de emprego para a região. A estimativa é que seis mil postos de trabalho sejam criados para a área de óleo e gás.

Ele também destacou que as perspectivas de aumento da produção do Pré-Sal são reais e de alto significado, inclusive ampliando a receita de royalties para os municípios.

Diante da nova realidade, Neves está articulando a formação de cursos para a melhoria da gestão dos municípios e do desempenho dos secretários municipais. Integram o Conleste 15 municípios. Pela ordem de recebimento de royalties, são eles: Maricá, Niterói, Saquarema, Casimiro de Abreu, Guapimirim, Magé, Cachoeiras de Macacu, Silva Jardim, Itaboraí, São Gonçalo, Nova Friburgo, Petrópolis, Teresópolis, Rio Bonito, Tanguá e Iguaba Grande.

A questão da mobilidade urbana, para atender à expansão da região, também está em pauta. No momento está em fase de elaboração de projetos executivos a criação de mais duas pistas de tráfego na BR-101. Além disto está em fase de conclusão a duplicação do trecho da rodovia estadual ligando a entrada de Iguá (trevo de acesso à rodovia Itaboraí-Cachoeiras de Macucu-Nova Friburgo), até o trevo de acesso a Duques, continuidade da BR-101.

Encurtar caminhos na rota Serra-Região dos Lagos
Quem desce de Nova Friburgo para chegar a Tanguá e Rio Bonito, no rumo norte da BR-101 ou em busca de Araruama-Saquarema, se obriga a dar uma volta de aproximadamente 22 quilômetros, passando pelo pedágio e congestionando o trecho.

Uma boa opção seria a melhoria e asfaltamento da estrada rural, que sai das proximidades da entrada do Comperj e de Papucaia e dá acesso a Basílio, terceiro distrito de Rio Bonito. Isto ajudará a aliviar o escoamento do intenso tráfego que sai do trevo de acesso ao Comperj, onde ocorriam grandes retenções quando estavam em andamento as obras do complexo da Petrobras.

Igualmente são necessárias obras como uma estrada alternativa, paralela à Avenida 22 de maio – que é o traçado de rodovia estadual – ligando a antiga Reta à Itambi para evitar a sobrecarga rodoviária na já movimentada via principal de Itaboraí.

Igualmente são imprescindíveis obras como um viaduto e estrada para desviar o tráfego da BR-101 e da RJ-104, antes de chegar à Manilha até a Via de Contorno, evitando a sobrecarga que ocorre no trevo de Varandinha, acesso à Itaboraí e a Via de Contorno da BR-101; e da melhoria das condições das vias de ligação de Itaboraí como Largo da Ideia e o Rio do Ouro, além de via de ligação entre o bairro Praça Cruzeiro e a Via Lagos, aliviando o tráfego, que é intenso entre o acesso a Rio Bonito e o acesso ao início da Via Lagos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + 7 =