Mulher é estuprada e torturada em Niterói

Um crime estarrecedor, em plena região central de Niterói, aconteceu na noite da última quinta-feira (18). Uma mulher foi estuprada e torturada em um hotel localizado no bairro da Ponta d’Areia. O suspeito, que é ex-companheiro da vítima, está preso.

Segundo informações do 12º BPM (Niterói), a vítima, uma mulher de 24 anos, conseguiu fugir do agressor, de 32 anos e sem anotações criminais anteriores, e pediu socorro a um policial federal. O local das agressões fica próximo à delegacia da corporação em Niterói.

O agente federal acionou a PM, via 190. A vítima informou aos militares que estava sofrendo agressões físicas e psicológicas há três dias e sendo obrigada a manter relações sexuais dentro do quarto do hotel com o ex-companheiro.

O agressor foi encontrado ainda no local pelos policiais e recebeu voz de prisão. O suspeito ainda tentou resistir, fazendo com que os policiais precisassem imobilizá-lo para, em seguida, conduzi-lo à delegacia.

A mulher foi levada ao Instituto Médico Legal (IML), localizado no Barreto, Zona Norte da cidade, onde foi submetida a exame de corpo de delito. O acusado foi preso em flagrante pelos crimes de estupro, carcere privado, lesão corporal e ameaça.

O caso foi registrado pela 76ª DP (Niterói), para onde o agressor foi conduzido. Em seguida, ele será encaminhado ao sistema prisional, onde passará por audiência de custódia e ficará à disposição da Justiça.

Segundo informações de moradores da região, que preferiram não se identificar, o local onde aconteceu o crime é motivo de constantes dores de cabeça. O hotel seria, na verdade, usado como ponto de prostituição e consumo de drogas.

Indicadores apontam aumento de casos

Embora os casos de estupro tenham reduzido no acumulado do ano de 2020 (de 5.450 para 4.746, queda de 12,9%), o mês de dezembro apontou tendência de aumento de registros, em todo o Estado do Rio de Janeiro. Foram 421 casos em dezembro de 2019, contra 424, no mesmo período, no ano passado.

Em relação à cidade de Niterói, os números de casos permanecem no mesmo parâmetro, nos dois anos anteriores. Enquanto em 2020 houve 146 casos, no ano anterior foram contabilizados 146 registros.

A polícia orienta que vítimas de abuso sexual denunciem imediatamente seus agressores. Existem diversos canais para comunicar as ocorrências: a Central de Atendimento à Mulher, pelo número 180; a Central da PM, através do 190; e o Disque Denúncia, por meio do telefone (21) 2253-1177.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + 9 =