Mudança no Niterói Presente gera dúvidas nos niteroienses

A mudança na gestão do programa Segurança Presente, antigo Niterói Presente, oficializada na última sexta-feira (3), ainda causa apreensão em cidadãos niteroienses. Desde a última semana, o financiamento e operação saíram das mãos da Prefeitura de Niterói, passando para o Governo do Estado, responsável constitucional por garantir a segurança pública.

A florista Márcia Fernandes, que trabalha na esquina das ruas Ator Paulo Gustavo e Presidente Backer, relata que o policiamento diminuiu, consequentemente aumentando a sensação de insegurança. A profissional, que está todos os dias naquele lugar, afirma que, a última vez em que viu patrulhamento do Segurança Presente, foi no sábado (4) e que, na segunda-feira (6), durante toda a manhã não notou a presença de nenhum agente.

“Sábado foi a última vez que eu vi aqui, passando, três agentes, depois não vi mais. Muito tempo de ausência. Aqui a gente pede a Deus e o resto temos que nos livrar. O patrulhamento tem sido péssimo, precisa melhorar muito. Hoje (ontem) ainda não vi nenhum. Já tem quatro horas que estou aqui e não vi policiamento nenhum”, disse.

A contadora Vanda Vaz mora na região de Icaraí há cinco décadas, relata que estava satisfeita com o Segurança Presente sob administração da Prefeitura de Niterói e que não entendeu as razões para a mudança. Ela relata que, com apenas três dias de nova gestão, ainda é muito cedo para fazer uma avaliação. Além disso, ela espera que a nova fase da operação tenha sucesso em manter os índices criminais satisfatórios que a cidade vem apresentando.

“Moro aqui em Icaraí há mais de 50 anos. Estava muito satisfeita com o Niterói presente, inclusive vinha sempre comentando com as minhas amigas. Não precisava mudar, estava muito bom. Não sei se essa mudança vai funcionar mesmo. Acho que ainda tem pouco tempo para a gente avaliar. É bom deixar passar mais um pouco para a gente ter mais uma certeza, se está funcionando ou não. Até aqui, tudo bem por enquanto”, relatou.

Já para Rafael Leite, que também vive na região Sul da cidade, a expectativa é de que a gestão da Secretaria de Estado de Governo (Segov) mantenha a qualidade no serviço prestado. Contudo, ele pontua que o governo municipal só assumiu o financiamento, em 2016, por conta da situação financeira ruim pela qual atravessava o governo estadual. Rafael afirmou esperar que o Estado tenha condições financeiras para manter o projeto.

“A expectativa é sempre de mudança para melhor. A gente sempre aguarda que, se o Estado se responsabilizou pelo programa, que tenha condições de manter o sistema garantindo a qualidade que estava tento. Agora a gente sempre fala no plano das expectativas. Vamos ver agora como vai funcionar no dia a dia. Difícil avaliar ainda porque começou na sexta-feira, mas o que a gente espera é que o Estado assuma com qualidade”, enfatizou.

Recordando

O Governo do Estado realizou, nesta sexta, a cerimônia para marcar o início da nova fase do programa Segurança Presente em Niterói. O evento aconteceu no 12º BPM (Niterói). O capitão Hugo Coque, porta voz da operação, confirmou que não será mantida a parceria com o Centro Integrado de Segurança Público (Cisp), da Prefeitura de Niterói. A operação passará a usar câmeras do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC).

A quantidade de motocicletas, que era de 65, agora está em 30. Já em relação aos automóveis, o número de 24 caiu para 17. Ainda há seis vans, usadas como bases móveis. De acordo com a Secretaria de Estado de Governo (Segov), toda a estrutura que era coordenada pela Prefeitura será devolvida ao Município. É importante ressaltar que a Segov afirma que a aquisição de mais veículos está em processo licitatório, pretendendo chegar a 70 motocicletas e 25 carros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezoito =