Motoristas de Uber programam manifestação para o dia 23

Motoristas que prestam serviço para a plataforma Uber fizeram uma convocação nos grupos de rede social para realizar uma manifestação no próximo dia 23. Eles querem o reajuste do serviço básico para R$ 8 e do quilômetro rodado para R$ 1,40, além de melhores condições de trabalho e segurança, com a permissão para a recusa de passageiros em favelas.

Patrick Nunes, de 31 anos, trabalha na plataforma há quatro anos e disse que a empresa trava uma disputa de tarifas com a 99 e reduziu o valor do quilômetro rodado. Mas os problemas não param por ai

“A Uber pune e não dá explicação sobre a punição. Diz que não precisa dar satisfação. O motorista da classe Diamante cai para a Azul, sem qualquer explicação. A classe Diamante é a mais alta. Quando cai para a azul é como se fosse cair de general para recruta. As tarifas estão cada dia mais baratas porque ela quer concorrer com a 99. E agora entrou a tal de inDriver, que também está jogando o preço para baixo, e não ajuda em nada”, disse.

Outra preocupação dos motoristas é quanto à segurança do trabalho.

“Se o motorista é assaltado, a empresa não reembolsa em nada. Não existe um seguro. Eu entendo que a política da empresa agora seja atender o público de uma renda mais baixa. Mas com eles precisam dar segurança para trabalharmos. Estão aparecendo muitas corridas para Comunidades. Você pega corrida de R$ 6, R$ 5, R$7 R$8 e cai dentro da favela e do tráfico”, diz Patrick.

As reivindicações são: A possibilidade de cancelamento de corridas em áreas de risco sem serem penalizados, que seja disponibilizada a foto do passageiro que pede a corrida, a exclusão das categorias 99 Poupa e Uber Promo, proibição do cancelamento de corridas por parte do passageiro em aeroportos, o que faz o motorista cair na fila, reajuste do valor mínimo para R$ 8,00, aumento no valor do quilômetro rodado para R$ 1,40 e poder descrever os maus tratos dos passageiros com o motorista. Também querem a liberação dos carros sedan para a categoria Confort.

O manifesto está marcado para a manhã do dia 23 de fevereiro, no Aeroporto Internacional do Galeão. depois de uma carreata prevista para circular nas principais rotas da cidade.

Procurada, a Uber ainda não se pronunciou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + 16 =