Motorista de aplicativo é preso acusado de servir traficantes

Augusto Aguiar –

Investigadores da 76ª DP (Centro) prenderam na manhã de ontem (17), no bairro Bom Retiro, em Itaboraí, um motorista de aplicativo de passageiros, de 47 anos, acusado de prestar serviços para traficantes do Morro do Estado, em Niterói, fazendo corridas regulares entre a comunidade e outras localidades, além de transportar drogas. A prisão foi efetuada após a abertura do inquérito que resultou na prisão do atual líder do tráfico na região, Wanderson Rodrigues de Andrade, conhecido como Boladinho, e o gerente da venda de drogas no complexo de comunidades, Paulo Roberto Barbosa Marinho, o Betão, no último dia 11, no Morro Menino de Deus, em São Gonçalo. A exemplo de Niterói, a comunidade é também reduto da facção criminosa Comando Vermelho (CV).

O motorista, que teve a prisão temporária decretada por crime de associação para o tráfico, alegou que há cerca de três semanas não trabalhava com transporte de passageiros via aplicativo. De acordo com os investigadores, a maioria das corridas que o motorista realizava era durante o período da noite, mas o acusado voltou a alegar que nunca havia levado ou buscado passageiros no Morro do Estado.

Na quinta-feira passada, os agentes conseguiram prender Boladinho e Betão, que eram as principais lideranças do Morro do Estado, que coordenavam a venda de drogas e que estariam por trás de uma recente invasão na localidade. Os criminosos, com auxílio de outros aliados de mesma facção, mas de comunidades diferentes do estado (inclusive de Niterói e São Gonçalo) tinham por objetivo expandir o controle para territórios rivais, como o Morro do Palácio, por exemplo, no bairro do Ingá. Por conta do enfrentamento entre criminosos rivais, policiais militares do 12º BPM, com apoio do Batalhão de Choque, realizaram recentemente operações para conter a tentativa de avanço do CV nessas áreas.

O serviço de investigação também apura a participação de grandes lideranças do tráfico em Niterói, que já estavam presas, na coordenação desse movimento de expansão, como por exemplo do traficante Pixote – líder do tráfico no Complexo da Coruja, em São Gonçalo, preso em fevereiro de 2015 – que estaria “bancando” as invasões, fornecendo “soldados do tráfico” e armas para reforçarem os grupos invasores, acirrando ainda mais a rivalidade entre CV e TCP na cidade, e com risco de unificação da venda de drogas nas zonas Norte, Centro e Sul da cidade. Vale lembrar que Wanderson (Boladinho) anteriormente era ligado à facção criminosa TCP, mas acabou “mudando de lado” e retornou para o Complexo do Estado, onde tomou o controle da venda de drogas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =