Morte em Maricá – Polícia acredita que filho do vereador era o alvo

O vereador Ismael Breve (DEM), de 59 anos, e seu filho, o advogado Thiago André Marins, de 33 anos, foram assassinados a tiros na madrugada de ontem dentro da residência da família na Rua Agrípio Luiz da Costa, no bairro Zacarias, em Maricá. Segundo informações da Polícia Militar, o assassinato aconteceu por volta das 3 horas da manhã. O vereador foi atingido por três tiros e seu filho, entre seis e oito disparos. A mulher do vereador, que também estava no interior do imóvel, nada sofreu. O crime estarreceu toda a população da cidade, onde há pouco tempo ocorreu o assassinato de dois jornalistas. A Prefeitura de Maricá decretou luto de três dias pela morte de Ismael.


A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) apurou que dois homens armados e encapuzados arrombaram uma porta de acesso à cozinha e invadiram o imóvel. Em seguida, se dirigiram até o quarto onde dormia Thiago e arrombaram a porta. Logo depois efetuaram vários tiros contra o advogado. O barulho acordou o vereador, que saiu de seu quarto para tentar intervir e ainda chegou a entrar em luta corporal com um dos assassinos. Porém, um comparsa também atirou contra o vereador. O corpo de Thiago foi encontrado pela polícia em seu quarto e o de se pai no corredor da residência.

Ismael exercia seu primeiro mandato como vereador e o crime de latrocínio, roubo seguido de morte, foi descartado pela DHNSG, que investiga o caso como crime de execução. A delegacia especializada recolheu no local para realização de trabalho pericial laptops, aparelhos celulares, cápsulas deflagradas de pistola e uma arma (registrada) que pertencia à Thiago. A mulher do vereador comparaceu na sede da DH para prestar depoimento.
“Ele (Ismael) nunca fez mal a ninguém. Era um homem trabalhador. Quem conhecia ele, sabia disso”, afirmou Alcenir Marins, cunhada do vereador. “Éramos como irmãos. Ismael era um homem trabalhador”, afirmou, também muito abalado, Wilson Corrêa, primo de Ismael.

“Trabalhamos com a versão de execução. Está afastada a hipótese de roubo. Chegamos ao local do crime e encontramos a porta da cozinha arrombada, o corpo do vereador no corredor e de seu filho no quarto. Através do trabalho pericial vamos obter informações mais precisas, mas achamos que Thiago tenha sido atingido por seis a oito disparos e o vereador por pelo menos trêas (sendo um na cabeça). Nós acreditamos que o principal alvo dos assassinos tenha sido Thiago. Encontramos arma dele, pistola calibre 380, dentro de seu carro. Estamos colhendo o depoimento de testemunhas para obter mais informações. Também acreditamos que está descartada a versão de crime político e os criminosos estariam armados com uma pistola calibre 9 milímetros e um revólver calibre 38 e usavam toucas ninja. Vamos trabalhar com as informações da testemunha presencial e estamos buscando imagens de câmeras de segurança espalhadas pela cidade”, enumerou o delegado Leonan Calderaro.

Em junho deste ano, o jornalista e proprietário do portal de notícias ‘Lei Seca Maricá’, Romário Barros, foi assassinado no município. No dia 25 de maio, o dono do Jornal Maricá, Robson Giorno, de 45 anos, foi executado perto de casa. Os dois eram conhecidos por noticiar fatos políticos da região. A polícia ainda continua sem pistas sobre as autorias e motivação das mortes.

Em nota, a Prefeitura de Maricá lamentou a morte de Ismael Breve e decretou luto oficial no município. “A Prefeitura de Maricá vem a público expressar sua indignação e revolta com esse lamentável episódio de violência na cidade. O vereador Ismael Breve era um agente público interessado e compromissado com a melhoria da qualidade de vida da população. Sua morte trágica, tanto quanto a de seu filho, Thiago Marins, enluta e revolta a todos os que, com eles, pensavam na vida parlamentar a serviço daqueles mais necessitados. A Prefeitura reafirma a necessidade das autoridades policiais de darem respostas imediatas e elucidar os fatos que motivaram tal brutalidade. O prefeito Fabiano Horta e todo o governo reafirmam seu compromisso de luta por justiça e paz e expressam suas profundas condolências à família Marins. Que Deus conforte a todos. A Prefeitura de Maricá decreta luto oficial. Maricá não é o espaço da barbárie, mas da convivência pacífica e construtiva”.

Enterro
O velório e do sepultamento do vereador e de seu filho aconteceram na tarde de ontem. Por volta das 17h30min os corpos saíram do plenário da Câmara e foram levados ao Cemitério Municipal. O cortejo reuniu centenas de pessoas. Amigos e familiares aparentavam estar muito abatidos e não acreditavam no crime. O prefeito de Maricá, Fabiano Horta (PT), esteve presente e disse acreditar na Polícia. “O Ismael era uma pessoa que tinha uma trajetória muito humana na cidade, muito carismático. Essa brutalidade, essa barbárie, a cidade está muito triste, mas estamos convictos de que a Divisão de Homicídios já está trabalhando no caso e vai elucidar isso”, declarou Horta.

O prefeito ainda disse não descartar que o crime contra o vereador tenha ligação com a execução de dois jornalistas na cidade.

PUNIÇÃO
O presidente da Câmara dos Vereadores, Aldair da Linda (PT), disse que convocou o prefeito para ir ao Governo do Estado na próxima semana para pedir providências. “Estão acontecendo alguns casos parecidos com esse e exigimos uma punição para que tragédias como essa não fiquem corriqueiras na cidade. Precisamos de uma atuação na investigação mais intensa, pois esses fatos abalam nossas famílias e os vereadores. Nós não sabemos se o crime foi político ou não, é preciso investigação. Ismael e o filho eram excelentes pessoas os conheciam há muito tempo e estou chocado com tudo que está acontecendo”, disse Aldair.

O suplente de Ismael, o policial Fabiano Novaes (DEM), de 40 anos, esteve no velório, acompanhou o enterro e lamentou ter sua posse sob essa condição. “Hoje pela manhã fui surpreedido com essa notícia. Ismael era um amigo e muito amado. É triste ver uma pessoa de bem ter seu lar violado. O que adianta a quantidade de recursos que tem a cidade se está nesta condição”, lamentou o suplente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *