Morre terceira vítima de incêndio em loja de armas

Por Karoline Martins

A manhã de hoje (14) foi mais triste para a família de Maurício Torres Ardigo, de 43 anos. Dono de uma conhecida loja de artigos de pesca, ele estava presente no incêndio do dia 28 de setembro na loja de armas Nit Army, situada na Rua Visconde de Sepetiba, no Centro de Niterói. Hoje, Maurício deixou familiares e amigos após uma infecção hospitalar , segundo informações divulgadas por parentes. O advogado dos responsáveis pelo estabelecimento informou que os donos da loja se disponibilizaram a prestar auxílio a família do comerciante no que fosse necessário. O local do sepultamento ainda não foi divulgado. O laudo da perícia realizada na ocasião pela Polícia Civil tem até 30 dias para ficar pronto.

A vítima foi socorrida no dia do incêndio no Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, em São Gonçalo. No dia 28 de setembro , Maurício foi transferido para o Complexo Hospitalar de Niterói , no Centro, onde permaneceu na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital até a sua morte.

No dia 1º deste mês de outubro, faleceu o idoso Sebastião Erthal Neto, de 74 anos, amigo de Maurício. Ele estava em estado grave de saúde após ser também vítima do incêndio. O senhor chegou a ser transferido do Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, para o Hospital Geral do Ingá, no bairro de mesmo nome, na tarde do último dia 29.

A loja passou por pericias para o andamento das investigações sobre o incêndio e permaneceu fechada totalmente até o dia 30 de setembro quando o uso do primeiro piso foi liberado. O fato ocorrido na loja também teve mais uma outra vítima fatal, Alexandre Calvet, de 53 anos, que era funcionário da loja. Ele não resistiu aos ferimentos e faleceu a caminho do hospital. Ele foi enterrado também no dia 30 de setembro no Cemitério Municipal do Maruí, no Barreto.

“Nós estamos esperando o resultado do laudo pericial, a análise das imagens das câmeras de segurança, são muitas câmeras, e a conclusão das oitivas para sabermos melhor o que realmente houve e tomarmos um posicionamento sobre se houve responsabilidade criminal, se houve alguma negligência”, informou anteriormente o delegado Luiz Henrique Marques, titular da 76ª DP (Centro), na ocasião do falecimento de Sebastião. A unidade de Polícia Civil é a responsável pela investigação do caso. A Polícia Civil ainda aguarda pelo laudo da perícia.

Referência em traumas, o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, em São Gonçalo, recebeu os sobreviventes Everton Gil Passos da Silva, de 33 anos, policial militar lotado na Coordenadoria de Polícia Pacificadora, Willy Jonatan Monteiro de Paula, de 25 anos, e Maurício.

De acordo com a direção do Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), os pacientes Willy Jonatan Monteiro de Paula e Maurício Torres Ardigo foram transferidos na segunda-feira, dia 28 de setembro, para o Hospital de Clínicas de Niterói. Na terça-feira, dia 29, o paciente Everton Gil Passos da Silva foi transferido para o Hospital Mário Lioni, em Duque de Caxias. Segundo a direção do Complexo Hospitalar de Niterói, o paciente Willy Jonathan Monteiro de Paula foi atingido no braço esquerdo por objeto cortante com duas lesões. Ele foi atendido na emergência do Complexo Hospitalar de Niterói (CHN) e teve alta no mesmo dia (28/09). A direção do Hospital Mário Lioni informou que o paciente Everton Gil Passos da Silva recebeu alta na tarde do dia 1º de outubro. A direção da unidade de saúde disse ainda que Everton deu entrada no dia 29 de setembro, transferido do Hospital Estadual Alberto Torres, com queimaduras de segundo grau.  Os responsáveis pelo hospital disseram ainda que o paciente foi submetido a  tratamento das lesões, com todos os cuidados médicos adequados ao seu quadro clínico.

De acordo com informações dos investigadores da 76ª DP (Centro), as chamas se originaram de um curto-circuito no ar-condicionado da sobreloja. No dia do incêndio a rua da loja ficou interditada por 40 minutos no trecho entre as ruas São João e Marechal Deodoro para facilitar o trabalho dos socorristas, sendo liberada pouco antes das 17h. A Defesa Civil informou que não houve danos à estrutura, mas interditou o imóvel temporariamente..

OUTRO CASO

Há 11 anos, o incêndio de uma outra loja marcou a história de Niterói. Localizada na Rua Barão do Amazonas, também no Centro, a loja Barão Pneus pegou fogo em outubro de 2009 deixando também três vítimas fatais. Como 90% do corpo queimado, Ednaldo de Andrade Silva, de 25 anos, chegou a ser levado para o Centro de Tratamento de Queimados do Hospital do Andaraí, no Rio, porém não resistiu ao seu estado e saúde gravíssimo e faleceu. No mesmo hospital também morreu Wanderson de Oliveira. A outra vítima fatal do incêndio foi José Geraldo, funcionário do estabelecimento.

O incêndio ocorreu na manhã de uma terça-feira (20/09). De acordo com a assessoria de comunicação do Ministério da Saúde, na época, o torneiro Wanderson de Oliveira, de 30 anos, que havia sido removido de helicóptero em estado gravíssimo para o Hospital do Andaraí, no Rio, faleceu no fim da noite, onde estava internado com quadro clínico grave o borracheiro Edinaldo Andrade, de 25 anos. Ambos ficaram com 90% do corpo queimado em decorrência da explosão no interior do estabelecimento. No acidente também faleceu o mecânico José Geraldo Fernandes da Silva, de 35 anos, (enterrado no Cemitério do Caju).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =