Morre o ator Paulo Gustavo, vítima de complicações da Covid-19

O mundo das artes está de luto. Morreu às 21h12 desta terça-feira (4), por complicações da Covid-19, o ator Paulo Gustavo. Ele tinha 42 anos e estava internado em estado grave por conta da doença desde o dia 13 de março na UTI do Hospital Copa Star, no Rio de Janeiro.

O comediante foi internado no dia 13 de março com sintomas mais graves da covid-19. No dia 21 de março ele foi entubado com dificuldade respiratória. Paulo Gustavo continuou a apresentar piora e, no dia 2 de abril, a equipe médica decidiu submetê-lo à terapia por ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea) na UTI, uma técnica também conhecida como pulmão artificial que auxilia na oxigenação do sangue. Fístulas bronco-pleurais precisaram ser corrigidas via toracoscopia no dias 4 e 9 de abril.

Em 11 de abril uma nova fístula foi detectada, segundo nota à imprensa, e recebeu reposição de fatores de coagulação. No dia 15 de abril, um novo boletim médico afirmou que ele também foi submetido naquela semana a “várias intervenções, como broncoscopias, e alguns procedimentos cirúrgicos” que controlaram hemorragias.

O penúltimo boletim foi divulgado no dia 26 de abril, quando a equipe de Paulo Gustavo informou que uma nova pneumonia bacteriana havia sido identificada.

O ator tinha asma e, em 21 de março, precisou ser intubado. No dia 02 de abril, o quadro de saúde do ator agravou ainda mais, e a equipe médica decidiu pela terapia com oxigenação por membrana extracorpórea (OCMO), um aparelho que funciona artificialmente como pulmão e coração. Ele era casado com o dermatologista Thales Bredas, com quem teve dois filhos, Gael e Romeu. Com 17 anos de carreira consolidada, Paulo Gustavo era autêntico e irreverente. Intenso na interpretação de seus personagens e apaixonado pela arte como ofício.

Biografia

Paulo Gustavo Amaral Monteiro de Barros nasceu em Niterói em 30 de outubro de 1978. Filho de Júlio Márcio Monteiro de Barros e Déa Lúcia Vieira Amaral, se formou na Casa das Artes de Laranjeiras no ano de 2005. Mas, antes disso, em 2004, na peça “Surto”, Paulo Gustavo já se destacava, interpretando a personagem que consagraria sua carreira: Dona Hermínia. Após sua formatura, ainda em 2005, Paulo Gustavo deixa o elenco de “Surto” e passa a integrar a peça “Infraturas”.

Mas seria mesmo vivendo Dona Hermínia que Paulo Gustavo alcançaria o estrelato. Em 2006, ele monta sozinho o espetáculo que seria o esteio de sua carreira: “Minha Mãe é Uma Peça”. O monólogo, concebido e escrito pelo ator, transpõe para a personagem a essência e a personalidade de sua mãe, Déa Lúcia, em quem se inspirou, fazendo com que milhões de outras mães se vissem na figura dela, tendo em vista sua relação com os filhos já crescidos, e o contexto social de vida semelhante ao de muitas mulheres. No mesmo ano em que estreava “Minha Mãe É Uma Peça”, Paulo era indicado ao Prêmio Shell de “Melhor Ator”.

Dona Hermínia

O sucesso do palco foi parar nas telas de cinema, em 2013, com o filme homônimo “Minha Mãe é uma Peça”. O grande sucesso de público e bilheteria, renderam mais duas produções cinematográficas do espetáculo: “Minha Mãe é uma Peça 2”, em 2016, e “Minha Mãe é uma Peça 3”, em 2019. Todos os seus filmes tiveram Niterói como cenário, com as belezas naturais da cidade apresentadas para o mundo inteiro.

Paulo Gustavo deu vida ainda a outros personagens ao longo de sua carreira no teatro, na TV e no cinema. Em 2007 faz o “Delegado Lupicínio” no clássico infantil “Sítio do Picapau Amarelo” produzido pela TV Globo. Em 2009, no filme “O Divã”, o ator interpreta o cabelereiro “René”, amigo e confidente da personagem “Mercedes”, vivida pela atriz Lília Cabral. O filme foi um grande sucesso e deu origem a série produzida dois anos depois pela TV Globo. Em 2010, estreou seu segundo espetáculo. Na peça, em formato de stand-up comedy, o ator contava histórias engraçadas e fazia piadas de medos, paranoias e relacionamentos.

Seu próprio programa de TV veio em 2011, no canal Multishow. Em formato de esquetes, escrito por ele e Fil Braz, o programa trouxe ao público novas personagens, como “Senhora dos Absurdos”, “Mulher Feia” e “O Nerd”, dentre tantos outros. O programa teve 4 temporadas e em todas foi líder de audiência. No mesmo ano, o-protagoniza a série produzida pela TV Globo, o ator repete o sucesso dos cinemas vivendo o cabelereiro René.

Paulo Gustavo interpretando René

Em 2013, mesmo ano do lançamento de “Minha Mãe é Uma Peça” no cinema, o ator entrava em cena como “Valdomiro Lacerda” no programa de TV “Vai que Cola”. O sitcom, produzido pelo canal Multishow, se passa na pensão da Dona Jô, onde todos querem ser “espertos”. O programa bateu todos os recordes e ficou em primeiro lugar de audiência da TV paga.

Interpretando Valdomiro, em “Vai que Cola”

Sempre dinâmico e criativo, Paulo Gustavo estreava em 2014 o espetáculo teatral 220 volts. Ele levou para os palcos as personagens femininas da série de TV. Contando com uma produção luxuosa, grande elenco e corpo de bailarinos, a peça, em estilo musical, nos remete a Broadway. No mesmo ano, ele viveria o personagem Aníbal no filme “Os Homens São de Marte… e É pra lá que Eu Vou”, com a amiga Mônica Martelli.

Com a atriz e amiga Mônica Martelli

Ganhou, em 2015, seu primeiro disco de platina pelo DVD do “Hiperativo”. Cinquenta mil cópias vendidas, antes mesmo do DVD chegar às lojas. Também, em 2015, lançava o livro “Minha Mãe É Uma Peça”. A publicação conta histórias inéditas, dicas de Dona Hermínia, fotos e ilustrações. O livro está entre os dez mais vendidos da Saraiva. Também, em 2015, participa do longa “Vai que Cola – O Filme.

Espetáculo Hiperativo

Em mais uma série para o canal Multishow, em 2017, Paulo Gustavo interpretaou o ex-palhaço Rique, que após a falência do circo, estaciona seu trailer em uma simpática Vila, onde se mete em diversas confusões com seus divertidos moradores.

Em 2018, participa a sequência do longa “Os Homens são de Marte… E É Pra Lá que eu vou”. No mesmo ano, atua na série “Além da Ilha”, com 10 episódios, interpretando Beto, um recém milionário que decide pegar um barco para comemorar com os amigos. No meio do caminho acontece um imprevisto que muda o destino final do grupo e os leva para uma Ilha misteriosa.

Paulo Gustavo em “Além da Ilha”

FILHO DA MÃE

Em 2019, Paulo Gustavo e Déa Lucia, juntos, entram em cena para o show musical ‘O Filho da Mãe’, em que os dois cantam e contam as – divertidas, é claro – histórias de tantos anos de convivência.

Déa Lúcia, mãe de Paulo Gustavo, no espetáculo “O Filho da Mãe”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 3 =