Moradores de São Gonçalo sofrem com má conservação de bueiros

Diversos bairros de São Gonçalo estão sofrendo com problemas estruturais e a falta de manutenção de bueiros. Porto Novo, Trindade e Barro Vermelho são alguns desses locais em que os gonçalenses são obrigados a conviver com o mau cheiro e com o risco de contaminação. Em alguns pontos da cidade o problema é tão grave que o esgoto chega a vazar para dentro das residências.

Moradores da Rua Monsenhor Reed, no Porto Novo, reclamam de um bueiro que está entupido desde o ano passado, em frente aos números 14 e 15. O problema, que é antigo, está atingindo várias casas da rua e o esgoto entra no quintal e chega a voltar pelo próprio encanamento dentro do banheiro e da cozinha de algumas residências. O cheiro incomoda e a possibilidade de contaminação também assusta os moradores.

O bueiro está com a tampa quebrada e destruiu parte da calçada e até uma porta velha foi colocada em cima do buraco para evitar acidentes. A recepcionista Márcia Pereira, 53 anos, mora no número 15 e disse que já fez contato com as autoridades por muitas vezes na tentativa de consertar o problema.

“A saída do cano do meu banheiro e da cozinha desemboca no bueiro em questão e o esgoto está voltando para dentro da minha casa. Quando chove a rua entope e isso é considerado algo comum para os moradores, o que não deveria ser considerado, mas dentro de casa é um absurdo. Acho que eles devem desentupir o bueiro. Tem mais de um ano que está entupido mas entrar esgoto na minha casa foi na semana passada. Eu estou usando produtos muito fortes para matar as bactérias e evitar a disseminação de doenças”, frisou.

A moradora do número 14, a cabeleireira Miriam Peixe, de 54 anos, disse que o seu quintal fica com muitas poças de esgoto.

“Isso é nojento. Esse problema é antigo e acho que falta um conserto efetivo e não um ‘jeitinho’. A água desce na casa de muitas pessoas e quando o dia está com sol o cheiro é insuportável. Também tenho um salão de beleza na mesma rua e as vezes as clientes reclamam do cheiro. Isso é muito desagradável”, desabafou a comerciante.

No mesmo bairro, a Rua Jerônimo da Silveira sofre com o mesmo problema. E os exemplos não param por aí, já que na Rua Maria Menezes, no Barro Vermelho, o vazamento de esgoto também está preocupando os moradores. A manilha está quebrada há muito tempo e a água suja também volta para dentro dos quintais.

“Eu não sei onde esse problema vai acabar. Quando uma criança morrer de leptospirose acho que as autoridades vão fazer alguma coisa”, desabafou uma moradora que não quis se identificar.

Já na Trindade o problema da falta de manutenção dos bueiros parece ser crônico. Na Avenida São Paulo e na Rua Maria Amélia, a questão é tão alarmante que as vias ficam com um grande bolsão de esgoto.

A Cedae foi procurada para comentar o caso do bueiro da Rua Monsenhor Reed e explicou que os técnicos da companhia realizaram vistoria no local e constataram que vazamento tem origem em galeria de águas pluviais, que não é operada pela empresa. Já a Prefeitura de São Gonçalo frisou que enviará equipes de Desenvolvimento Urbano ao local. Sobre os outros problemas mencionados nessa reportagem a Cedae divulgou que o esgotamento sanitário dos logradouros informados não é de responsabilidade da Cedae.


A Prefeitura de São Gonçalo pontuou em nota que todas as questões foram repassadas para a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, que irá em cada endereço para verificar as demandas e realizar os reparos necessários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − 4 =