Moradores de São Gonçalo se unem pelo coletivo

Geovanne Mendes –

Vista Alegre, Monjolos e Marambaia, três bairros abandonados pelo poder público, cortados por uma rodovia estadual, também esquecida pelas autoridades e milhares de moradores sem direito a infraestrutura. Essa é a impressão de quem passa de carro pela RJ-104 em direção a BR-101. Na rodovia, de responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ), os buracos disputam a atenção dos motoristas com o matagal, em alguns casos com cerca de um metro de altura e que tiram a visão das placas de sinalização. O perigo é ainda maior quando se chega próximo ao km 18 da rodovia, por lá, o conhecido retorno de Marambaia esconde surpresas ao condutor que precisa retornar em direção à Niterói.

As placas de pare ou os carros vindos na direção oposta são escondidos pelo mato alto. Além destes problemas, quem se aventurar a entrar nas ruas de Vista Alegre, por exemplo, terá que tomar inúmeras precauções. Na Avenida Presidente Roosevelt, que margeia a via, verdadeiras crateras esperam pelo motorista. Quem for andando pela calçada vai ter que se preparar para fazer malabarismo, porque o passeio simplesmente termina e um cano de distribuição de água fica no meio do caminho, dificultando a vida dos moradores.

A dona de casa Maria das Dores, de 46 anos, moradora do bairro, diz que a dificuldade em passar pelo local é imensa, ainda mais quando ela precisa levar ou buscar o filho na escola ou no médico.

“Esse bairro está abandonado, não temos nenhum tipo de infraestrutura básica. As calçadas simplesmente não existem e a poeira é algo assustador”, conta a moradora.

Quem precisa esperar por ônibus no local precisa disputar espaço com o lixo no ponto de ônibus e se preparar para dias com sol forte ou chuvosos, pois o local não possui o mínimo de conforto, como placas informativas, informando pelo menos o nome das linhas existentes no local.
“Isso é um absurdo, em dias de muito sol a gente não aguenta ficar aqui por que a luz do sol é forte e bate diretamente em nossa vista, atrapalhando a visão. Muito pior quando chove, deveriam colocar uma proteção. Não somos bichos, merecemos respeito”, comenta a aposentada Tereza Pereira, de 67 anos.

Cansados de esperar pelo poder público municipal e estadual, um grupo com cerca de 20 moradores e comerciantes da região vem se reunindo há três meses, durante o final de semana, na elaboração de um plano de socorro aos bairros e realizam troca de lâmpadas, limpeza das vias, poda de mato que ficam nos retornos e nas margens da RJ-104. Já foram gastos cerca de R$ 4 mil pelo grupo que funciona como uma espécie de prefeitura paralela e já instalaram 272 focos de luz, em 17 ruas do Marambaia e também em ruas do Monjolos e Vista Alegre.

“Há três meses iniciamos a limpeza do retorno de Vista alegre, em seguida mapeamos as ruas que estavam com problemas de iluminação. Somos comerciantes e moradores da região e cansamos de pedir ajuda e não ter um retorno. Víamos os carros batendo por causa do mato alto, no mês que vem iremos limpar o retorno do Marambaia e não iremos parar as nossas ações de bem-estar coletivo e pedimos a participação de todos para nos ajudar nessa empreitada”, disse o comerciante Leandro Luzarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *