Mercedes de 1955 é arrematado por R$ 700 milhões e se torna o carro mais caro já vendido

Um dos dois Mercedes-Benz 300 SLR Uhlenhaut Coupé 1955 existentes foi vendido por € 135 milhões (R$ 702,9 milhões pelo câmbio atual), confirmou a RM Sotheby’s. O esportivo alemão desbanca assim a Ferrari 250 GTO – arrematada em 2018 por US$ 70 milhões – como automóvel mais caro do mundo.

“A venda do 300 SLR Uhlenhaut Coupé ocorreu no dia 5 de maio em um leilão realizado no Mercedes-Benz Museum, em Stuttgart (Alemanha). Entre os convidados foram selecionados clientes da marca e colecionadores internacionais de carros e arte que compartilham os valores corporativos da Mercedes-Benz”, revelou a casa de leilões canadense.

A notícia surpreendeu o mundo automotivo, mas com contornos de boato, já que a Mercedes não confirmava (nem negava) a venda do modelo baseado no W 196 R, carro de corrida que conquistou dois campeonatos mundiais com Juan Manual Fangio ao volante.

O que torna este 300 SLR tão especial é o nome de Rudolf Uhlenhaut, o engenheiro que criou o carro – a unidade comercializada era a de uso pessoal. Equipado com um motor 3.0 que o levava aos 290 km/h, foi um dos mais rápidos de sua geração.

Peter Wallman, Chairman da RM Sotheby’s, afirma que “palavras não podem realmente fazer justiça à importância e significado desta venda. É razoável dizer que ninguém jamais imaginou que este carro seria colocado à venda”.

De acordo com Marcus Breitschwerdt, chefe do Mercedes-Benz Heritage, “o comprador concordou que o 300 SLR Uhlenhaut Coupé permanecerá acessível para exibição pública em ocasiões especiais, enquanto o segundo exemplar permanece na propriedade da empresa e continuará a ser exibido no Mercedes-Benz Museum”.

Os recursos da venda serão usados ​​para estabelecer o Mercedes-Benz Fund, que fornecerá bolsas de estudo para jovens para pesquisa nas áreas de ciência ambiental e descarbonização.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.