Menor que provou a inocência no crime agora está correndo perigo

Augusto Aguiar –

Um adolescente de 17 anos, que na tarde de terça-feira (19) chegou a ser conduzido pela Polícia Civil como um dos suspeitos de envolvimento no latrocínio (roubo seguido de morte) da aposentada Maria Alcina Gil, de 55 anos, pode estar correndo risco de vida. Um rapaz, de 18 anos, foi autuado, e outro menor, de 17 anos, foi apreendido acusados pelo crime, sendo que o segundo teria desferido os golpes de faca que mataram a vítima, na Alameda Carolina, em Icaraí, Zona Sul da cidade. Um terceiro acusado se apresentou na 79ª DP (Jurujuba).

O drama do menor, que na manhã desta quinta-feira (21) foi citado em comentários nas redes sociais, começou logo após a ocorrência. De acordo com o relato do delegado Alan Duarte, da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG), inicialmente o menor infrator que esfaqueou a vítima fugiu da cena do crime em direção a São Francisco, onde sentou-se ao lado do outro adolescente (inocente), próximo ao SkatePark. Quando a polícia realizou buscas no mesmo perímetro e localizou o menor (agressor) o encontraram junto ao outro, por isso ambos foram conduzidos para a sede da DHNSG. Ainda na tarde de terça, outro acusado, esse de 18 anos, se apresentou na DP de Jurujuba.

Enquanto as fotos do trio era reproduzida inúmeras vezes nas redes sociais, um dos menores explicou na sede da DHNSG que desconhecia a ocorrência que estarreceu a população e que não estava na cena do crime. Várias críticas e ameaças foram feitas (via rede social). “Nas fotos que circularam na Internet aparaceu os dois menores, mas o acusado de esfaquear a vítima era o adolescente sem camisa. O outro menor (o inocente) estava perto no momento da abordagem e por isso também foi conduzido. Este explicou que viu e estranhou o fato do acusado ter lavado as mãos sujas de sangue. Checamos as informações prestadas e cruzamos com as imagens registradas por câmeras de segurança. O menor (de camisa) não estava na cena do crime, e assim o liberamos. Apuramos a motivação, identificamos os acusados. Nossa missão foi cumprida. O inquérito foi remetido para o Ministério Público”, explicou o delegado Alan Duarte, da DHNSG.

Perigo de compartilhamento das mensagens inverídicas
Ele lamentou o fato que as fotos com os dois adolescentes (inclusive do inocente) permaneceram circulando pelas redes sociais, com a possibilidade e o risco do menor ser ameaçado inclusive fisicamente, por isso haveria a necessidade que providências protetivas fossem tomadas.Alan Duarte afirmou ainda que esse fato deveria chegar ao conhecimento de órgãos, como a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), por exemplo.

“Na delegacia o rapaz da foto ajudou a polícia com informações importantes sobre o horário da chegada do culpado à pista de skate e outras coisas. O segundo acusado recebeu represálias e se entregou! O menino da foto (com camisa) foi liberado no mesmo dia! Está em casa! Indo pra escola! E agora corre perigo, pois as redes estão pedindo a morte dele entre outras atrocidades. Espero que este post seja tão comentado e compartilhado quanto o falso foi! Fica aqui uma reflexão sobre o que compartilhamos nas redes. A internet está cheia de mentira. Duas pessoas já foram assassinadas pela sociedade por causa de enganos como esse”, foi uma das mensagens postadas nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + dez =