Imagem Principal
Imagem
Uerj estuda eficácia das vacinas em imunizados em seu posto
Uerj estuda eficácia das vacinas em imunizados em seu posto
Foto do autor A Tribuna A Tribuna
Por: A Tribuna Data da Publicação: 04 de julho de 2021FacebookTwitterInstagram

Pesquisa realizada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) busca entender como o organismo de pessoas vacinadas com os imunizantes AstraZeneca e CoronaVac produz defesas, principalmente linfócitos específicos, com maior efetividade para destruir ou inativar o Sars-CoV-2 e suas variantes.

Os voluntários são recrutados entre as pessoas que chegam para receber a primeira dose da vacina, no posto montado no campus da Universidade, no Maracanã. "As amostras coletadas no ato da vacina ficam armazenadas para testagem comparativa com as da segunda dose, que completa o ciclo de imunização. Assim poderemos definir melhor em qual grupo populacional, por sexo e faixa etária, a vacina foi efetiva, A primeira e a segunda doses estimulam o sistema imunológico; pode haver variações individuais, em função das características genéticas ou de infecções prévias de cada pessoa. Nosso consenso é que valores mais altos de defesa podem ser encontrados entre 30 e 60 dias após exposição total aos antígenos. Neste estudo, optamos por comparar após 30, 90, 180 e 360 dias", explica Luís Cristovão.

Até o momento, mais de 1.800 pessoas já colaboraram com o estudo. Muitos voluntários, entendendo a importância e o propósito da pesquisa, estimulam amigos e conhecidos a aderirem.  A pesquisa gera um conjunto de ações de grande relevância para a Uerj, principalmente em relação aos dados científicos produzidos.

O posto de  vacinação da Uerj funciona em frente à Concha Acústica Marielle Franco, das 9h às 15h, de segunda a sexta-feira, seguindo o calendário da Prefeitura do Rio. 

Relacionadas