Marquinho Mendes tem registro de candidatura indeferido

A chapa de Marquinho Mendes (MDB) teve o registro de candidatura às eleições suplementares de Cabo Frio, indeferido. Marquinho informou que recorrerá da decisão. O TRE não disse se ele poderá concorrer, ou não, à eleição suplementar, marcada para 24 de junho, enquanto o recurso estiver sendo analisado.

O juiz Vinicius Marcondes de Araujo proferiu a decisão contra Marquinho e a vice da chapa, Rute Schuindt, no fim de semana. A Justiça Eleitoral aceitou o argumento dos requerentes da ação de que Marquinho foi o causador da anulação das Eleições de 2016.

Entraram com pedido de indeferimento, sob a acusação de que Marquinho causou a anulação das Eleições de 2016, Jânio Mendes, o Ministério Público Eleitoral, Rafael Peçanha, Radamés Muniz Costa, Adriano Moreno, Rede Sustentatibilidade, Coligação Mudança Verdadeira, Coligação Coragem Para Mudar, Felipe Gatto e Igor Durso da Silveira.

A defesa de Marquinho Mendes disse, no processo, que o prefeito afastado “não deu causa à nulidade da eleição de 2016, por considerar que para efeito de impossibilidade de candidatura haveria a necessidade que tal nulidade decorresse de ilícito praticado no curso da campanha eleitoral daquele pleito, o que não ocorreu”, ou seja, ele se declara inocente da acusação que levou às eleições suplementares.

Atualmente, a cidade é administrada por Aquiles Barreto (Solidariedade), presidente da Câmara notificado pelo Tribunal Regional Eleitoral no dia 10 de maio. As eleições suplementares foram convocadas pelo TRE-RJ para o dia 24 de junho depois que o então prefeito, Marquinho Mendes (MDB), teve o registro de candidatura cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso de poder econômico e político. A cassação foi no fim de abril.

Segundo a decisão judicial, a eleição suplementar só está ocorrendo porque Marquinho “se lançou candidato sem que lhe fosse juridicamente permitido”.

Nas redes sociais, Marquinho se defendeu e tranquilizou seus eleitores.

“Acabei de receber a notícia que o juiz da primeira instância indeferiu o nosso registro de candidatura a pedido de todos os nossos adversários politicias. mas eu quero tranquilizá-los. […] Primeiro, que eles tentam me ganhar ‘no tapetão’, mas esquecem que quem decide é o povo nas urnas. Não é a primeira vez que aconteceu isso. Em outras eleições que eu participei houve indeferimento na primeira instância, e nós revertemos no TRE. E vai ser assim agora, eu não tenho dúvida. Nós vamos entrar com recurso e teremos no tribunal o nosso deferimento”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 5 =