Maricá suspende vacinação

Da esperança ao caos. É assim que podemos explicar o drama que o município de Maricá e sua população enfrentam diante da dependência de envio de imunizantes pelo governo federal. Com a negativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importação da vacina russa Sputnik V, e ausência de repasse de imunizante da Coronavac, Maricá teve que suspender a aplicação de segundas doses da vacina produzida pelo Instituto Butantã a partir dessa terça-feira (27).

Essa vacinação depende do repasse de doses do Plano Nacional de Imunização, coordenada pelo Ministério da Saúde.

A fabricação da Coronavac, pelo Instituto Butantan, estava parada por falta do insumo concentrado que é produzido na China e enviado ao Brasil. Um novo lote chegou ao país neste domingo e já foi enviado ao instituto.

Vale destacar que a segunda dose de uma vacina deve corresponder ao imunizante aplicado na primeira dose.

A imunização será retomada em Maricá assim que o município receber novas doses do Ministério da Saúde, ainda sem uma data prevista. A Prefeitura tem expectativa que as doses da Coronavac voltem a ser distribuídas até meados de maio.Já a vacinação da primeira e segunda dose com a vacina Astrazeneca segue com seu calendário normal.

Segundo Solange Oliveira, subsecretária de saúde de Maricá, a segunda dose deve ser fornecida antes do prazo previsto para a sua aplicação. “Infelizmente isto não vem acontecendo. A falta de doses pode provocar interrupções temporárias, como agora, com a segunda dose da CoronaVac. Vamos torcer para que o MS tome as providências para a normalização” – declarou.

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde do município, todas as 560 vacinas destinadas para a segunda dose da CoronaVac, recebidas no último sábado (24/04), foram aplicadas na população nesta segunda-feira (26/05). A cidade recebeu quase 5 mil doses da AstraZeneca na mesma ocasião e com essas vai manter o cronograma.

“Como o lote recebido foi inteiramente utilizado, infelizmente precisaremos interromper a vacinação da CoronaVac-D2. Sabemos que este é um problema que está acontecendo em todos os municípios brasileiros, em razão do Ministério da Saúde não estar enviando doses suficientes para imunizar os grupos prioritários elencados no Programa Nacional de Imunização (PNI)”, explicou a subsecretária de Saúde.

Solange ressaltou, ainda, que no momento a vacinação na cidade não será interrompida. “Maricá ainda possui doses da Astrazeneca para primeira (D1) e segunda dose (D2) o que nos permite continuar seguindo o calendário de vacinação”, garantiu a subsecretaria.“É muito importante que os munícipes de Maricá compreendam que todo o planejamento da vacinação depende exclusivamente da disponibilidade da vacina. As equipes estão a postos e podemos ampliar os pontos de vacinação. Todas as doses recebidas foram aplicadas conforme as orientações das notas técnicas emitidas pelo Ministério da Saúde”, concluiu Solange.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − oito =