Manifestações contra Bolsonaro também ocupam as ruas no 7 de setembro

Este ano, manifestações “Fora, Bolsonaro” se une ao tradicional Grito dos Excluídos, ato que denuncia problemas sociais há quase 30 anos

Além das manifestações em defesa de Jair Bolsonaro (sem partido), o feriado de 7 de setembro também foi marcado por atos contrários ao presidente em mais de 160 cidades, inclusive fora do Brasil. Em boa parte das cidades brasileiras, as manifestações se uniram ao tradicional Grito dos Excluídos e das Excluídas, que há quase 30 anos denuncia os problemas sociais do país.

Protesto contra Bolsonaro em Brisbane, Austrlália

Os protestos pelo “Fora, Bolsonaro” são convocados pela Campanha Nacional Fora Bolsonaro, formada pelas frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, além de partidos políticos, centrais sindicais e movimentos populares. As manifestações ocorrem em continuidade à jornada de lutas iniciada em maio deste ano. Os organizadores recomendaram aos participantes que seguissem todos os protocolos sanitários de segurança, como uso de máscara de proteção, álcool em gel e respeito ao distanciamento social.

Rio de Janeiro

Com gritos de ‘Fora Bolsonaro ‘, os manifestantes cariocas se concentraram na Rua Uruguaiana, na altura da Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio. O protesto reuniu milhares de pessoas que marcharam pedindo a saída do presidente. Os manifestantes usaram faixas e cartazes com frases de ‘Fora governo de cloroquina’, ‘Fora governo da fome’, ‘Povo unido para derrotar Bolsonaro’.

Durante protesto, manifestantes lembraram das quase 600 mil vítimas da Covid-19 no Brasil

A Polícia Militar e a Guarda Municipal do Rio acompanharam a manifestação, além de agentes de trânsito da Prefeitura que organizaram o trânsito no local. A pista lateral da Presidente Vargas foi interditada para realização do ato. Segundo o Centro de Operações (COR), a Rua Uruguaina ficou interditada entre a Rua Buenos Aires e a Avenida Presidente Vargas. Ainda de acordo com a COR, a Avenida Presidente Vargas ficou com a pista lateral interditada, na altura do Detran-RJ até o acesso à Avenida Rio Branco, no sentido Candelária.

No início da tarde, a Rua Uruguaiana e a Avenida Presidente Vargas foram totalmente liberadas. Já a Avenida Rio Branco se manteve interditada a partir da Rua Visconde de Inhaúma, sentido Praça Mauá, devido à manifestação. De acordo com a COR, o trânsito seguiu sem retenções durante todo protesto.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =