Mais de 60% dos veículos de Niterói têm seguro

Augusto Aguiar –

Os índices alarmantes de roubos e furtos de veículos em Niterói têm levado o niteroiense a se apegar e buscar cada vez mais a proteção de seu patrimônio diante da sensação de insegurança de cada esquina, preferindo garantir assim o bem material. Números do Sindicato dos Corretores de Seguros (Sincor-RJ), para a região de Niterói, direcionam que a frota de veículos na cidade está em torno de 184 mil veículos, sendo que 65% (119.600 autos) estão atualmente cobertos por algum tipo de seguro, seja ele somente para roubo ou total.

Para uma amostragem de 100 mil habitantes, os números do Instituto de Segurança Pública (ISP) para o primeiro trimestre desse ano em Niterói computaram que em janeiro 143 veículos foram roubados e registrados em alguma delegacia da cidade. Numa crescente, em fevereiro a totalização passou para 187 registros, e em março (últimos dados divulgados) os registros saltaram para 201 (total: 531 registros), ou seja, variação de 40,55% entre janeiro e março. Sem grave ameaça, no caso do furto, em janeiro desse ano foram registradas 84 ocorrências, sendo que os números saltaram para 121 em fevereiro e apresentaram uma leve queda para 108 em março, mas ainda dentro dos “três dígitos” de elevação, totalizando 313 carros furtados. Os dados dos estatísticos estão levando o niteroiense, além de reivindicar maior segurança, impulsionando para uma maior garantir do bem material, o carro.

“É uma crescente o número de veículos em relação ao número de seguros”, informou Daniel dos Anjos, consultor de seguros e previdência, e delegado sindical da região de Niterói e São Gonçalo do Sincor-RJ. Ele adianta que com a crescente de roubos e furtos de veículos na cidade, o valor do seguro (preço médio) aumentou, “de 16,5% a 19,3%”, tomando-se por base a faixa de idade de 20 a 25 anos, por exemplo, com carro considerado popular, avaliado entre R$ 40 mil e R$ 50 mil. Quanto ao tipo de seguro que mais se adéqua à preferência e que “cabe no bolso” do cliente, Daniel explicou que atualmente a variação é grande. “As seguradoras lançaram uma nova linha de produto, como o seguro de roubo e furto somente, para atender uma necessidade de mercado, com muitas delas fazendo um parcelamento em até 10 vezes sem juros, sendo o mais procurado ainda é o classificado como compreensivo (total), com coberturas básicas e opcionais”.

Daniel acrescentou que com o aumento dos índices violência, como exemplo os roubos e furtos de carro, as pessoas estão procurando por obter algum tipo de garantia ou cobertura para seus bens, mas ele ressalta que a vida ainda mais importante. “Com o aumento do índice de sinistralidade por roubo em Niterói, a tendência é de que este número aumente a contratação de seguros de automóveis, porém a falta de conscientização da população em relação a contratação de seguro de vida, infelizmente ainda deixa a desejar, pois mais importante que seja a proteção do veículo, proteger quem esta dentro dele é muito mais importante”.

A preocupação apontada em Niterói e Região Metropolitana também se estende ao município do Rio, onde no primeiro trimestre as mesmas modalidades de crimes apresentaram aumento, arrastando com ela o aumento da variação do preço do seguro. Nos bairros da Zona Sul, por exemplo, o crescimento do número de roubos de veículos subiu na ordem de 45%, sendo que nas zonas Norte e Oeste o aumento foi de 18% e 20%, respectivamente. Na estatística dos veículos roubados e furtados no município do Rio, em torno de 20% são abandonados pelos criminosos e recuperados, segundo informe da Federação Nacional de Seguros Gerais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − 5 =