Maio Roxo alerta para importância da luta contra lúpus

O coletivo Anjos da Rua, liderado pela ativista Karla Barcellos, celebra o Maio Roxo com uma série de ações virtuais no V Encontro pela Consciência ao Lúpus. É uma oportunidade para disseminar conhecimento sobre sintomas, diagnóstico e tratamento da doença reumática crônica de origem autoimune que acomete cerca de 65 mil pessoas no Brasil. O encontro acontece de forma virtual com o título Eu luto por atenção e direitos dos pacientes com lúpus.

A doença se manifesta quando o sistema imunológico, por não diferenciar invasores prejudiciais ao organismo, acaba criando anticorpos que causam inflamação, dor e danos em tecidos saudáveis nos olhos, rins, articulações, pele, coração e cérebro.

De acordo com Karla Barcellos, de 47 anos, o intuito é despertar a consciência pelos portadores do Lúpus e chamar atenção para as necessidades dos pacientes lúpicos, como a falta investimentos em pesquisas, remédios específicos e especialização médica para que o diagnóstico da doença seja mais preciso e feito com mais rapidez.

“O Lúpus é uma doença autoimune, incurável, de difícil diagnóstico e muitas vezes agressivo a ponto de levar ao óbito.  Neste período de pandemia, estamos sendo ainda mais negligenciados em diversos fatores, q começar pela falta do medicamento hidroxicloroquina das prateleiras das farmácias. Lutamos por direitos e atenção. Não temos profissionais da saúde especializados para seu diagnóstico, sendo ele também um somatório de outras doenças”, explica.

Karla recebeu o diagnóstico da doença há 11 anos e percebeu que para sobreviver teria que se reinventar. Foi aí que começou a lutar pelos seus direitos e de outros pacientes com Lúpus em Niterói e outras partes do Brasil.

“Quando descobri que tinha lúpus, recebi uma sentença de morte. Achei que não teria minha vida de volta. Engordei mais de 20 quilos, perdi dentes, cabelos, tive dores incapacitantes. No meio dessa caminhada, de dores, internações, auto estima baixa, fundei o projeto social onde mulheres como eu, com necessidade de recomeçar pudessem aprender através da terapia”, afirma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − onze =