MAC Niterói 25 anos. Nas bodas de prata do cartão postal, museu tem programação especial de aniversário

Principal cartão-postal de Niterói, o Museu de Arte Contemporânea completa 25 anos, nesta quinta-feira (2), com muita história para contar. E para marcar as bodas de prata do museu apresenta uma programação diversificada, ao longo do mês para celebrar em grande estilo esta data tão especial. A entrada será gratuita em durante todo o mês de setembro, sendo que a programação começa a partir do dia 8,

As comemorações incluem uma grande ocupação das artes visuais em todos os espaços do museu: galerias internas, rampa e praça. Serão sete exposições ao todo, além de outras programações artísticas e culturais. Com esta iniciativa, vem a ideia da quebra das suas próprias barreiras físicas: um museu que se espalhe pela cidade, pelas redes. O visitante só conseguirá ver todas as exposições se for ao ambiente virtual (Transeuntis Mundi), se for até a praia da Boa Viagem (Samba exaltação), precisando estar dentro e fora.

Ao chegar na Praça do Museu, o público será recebido por um monumento erguido em homenagem aos 25 anos em diálogo com a arquitetura de Niemeyer. Já para as galerias do Museu, os monumentos que pairam sobre os céus da Guanabara: de um lado o MAC e do outro o Cristo Redentor. No mezanino, algumas das principais obras das Coleções MAC e Sattamini, garantindo sua função pública e cultural. Diversos autores e trabalhos de extrema importância para arte contemporânea brasileira estarão ao alcance do público, incluindo Lygia Clark, Tunga, Beatriz Milhazes e Ricardo Ventura.

Ao terminar a visita, o público será brindado com o MAC trazendo a sua própria origem, sua história e sua construção. Serão diversos documentos, publicações e imagens que retratam um pouco esse período do museu, incluindo a primeira exibição pública do livro de ouro do MAC, que guarda depoimentos e assinaturas de grandes personalidades que visitaram o museu em seus 25 anos.

Presidente da Fundação de Artes de Niterói, o cantor do Marcos Sabino comenta a relação que tem com o museu. Ele também destaca as reformas que o local passou há cinco anos, ajudando a manter a beleza e a imponência do local.

“Tenho uma relação muito próxima com o MAC, porque acompanhei o nascimento da ideia e, depois, todo o processo de construção. Como toda obra de Arte importante, o MAC já nasceu despertando os mais diversos sentimentos nas pessoas e isso acontece até hoje quando os visitantes da cidade se surpreendem ao avistá-lo. O Museu tem sido cuidado com muita responsabilidade e carinho por todos os governos que se instalaram na cidade. Em 2016, o ex-prefeito Rodrigo Neves fez uma importante reforma no MAC, modernizando e valorizando ainda mais sua beleza arquitetônica. Ao completar 25 anos, o Museu de Arte Contemporânea, na gestão do prefeito Axel Grael, se insere definitivamente na alma niteroiense com investimentos e ideias novas para o futuro. O MAC é mais do que um Museu, é uma obra de arte, um templo para a Cultura de Niterói e do mundo”, ressalta Sabino.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Niterói

Lançamento de plano museológico

Na solenidade fechada, em comemoração ao aniversário, na terça-feira (07), será lançado o 1º Plano Museológico do MAC Niterói, garantindo um planejamento de cinco anos para as ações do museu. Além disso, resgatará também o Conselho Deliberativo, decretado quando o equipamento foi inaugurado. Assim, a garantia de que a participação popular fará parte do dia a dia do MAC, trazendo também a população e o artista niteroiense para discutir a gestão dessa instituição tão importante. Para evitar aglomerações, neste dia, o Museu estará fechado para convidados com horário marcado.

Também será inaugurado um programa de mediação geopoética guiada, reconhecendo a integração do museu com o meio ambiente, a paisagem e os povos originários, despertando sensibilidades e afetos, por meio da arte e da memória.

Um pouco da história do MAC

Obra de Oscar Niemeyer, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói foi construído no dia 2 de setembro de 1996, para abrigar as obras da importante coleção de João Sattamini. Em 2016, passou por uma reforma inédita de modernização.

Belo e absolutamente surpreendente, se abrindo como uma flor, o museu conta também com a Coleção MAC Niterói, com obras de arte incorporadas ao acervo por meio de doações de artistas que ali fizeram exposições, em especial de Almir Mavignier de uma série de cartazes aditivos em homenagem à inauguração do Módulo de Ação Comunitária em 2008, incluindo, ainda, dois raros cinecromáticos Abraham Palatnik.

Referência para a cidade, para a região e com projeção mundial, o MAC Niterói, um dos cartões-postais do Rio de Janeiro e do país, já foi matéria e estampou capas de diversos jornais e revistas do mundo. Foi tema de documentários – inclusive com o próprio Oscar Niemeyer o apresentando –, de campanhas publicitárias e de inúmeros programas televisivos.

Nesses 25 anos, foram recebidas mais de 2.800.000 pessoas no museu, nomes como David Bowie, Juliette Binoche, o ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, entre outros, estiveram no equipamento e deixaram seu relato no livro de ouro. Foram realizadas mais de 185 exposições ao longo desses anos. Com a consolidação dos 25 anos, a apresentação do plano museológico e a retomada do conselho deliberativo, o MAC está preparado para seguir com sua função pública e cultural.

Neste fim de semana, o jornal A Tribuna vai contar com um caderno especial explicando como surgiu a ideia do museu, recordando os detalhes da construção e apresentando imagens inéditas de algumas das celebridades nacionais e internacionais que prestigiaram o local ao longo desse tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × cinco =