Livro incentiva o estudo do passado indígena de Niterói

Niterói comemora 446 anos nesta sexta-feira, 22 de novembro. A festa celebra, também, o dia de Arariboia, índio fundador da cidade. Resgatar esse passado indígena é um importante ato de resistência e construção da identidade local. É isso que o livro “Niterói, terra de índio” (Eduff, 2019) se propõe a fazer.

A obra da produtora cultural Lia Bastos estuda os conflitos e disputas em torno das representações sociais de Arariboia. Visto por alguns como herói e por outros como traidor, a construção da imagem do mito fundador da cidade é conflituosa. Entender esse complexo processo é, também, entender a história de Niterói e a relação entre seus moradores.

Niterói foi capital do estado do Rio de Janeiro por mais de 100 anos, desde a primeira metade do século XIX até 1975. Ela é, hoje, a cidade não capital mais desejada do Brasil, segundo pesquisa do Grupo ZAP de imóveis, de 2018. Além disso, tem o sétimo melhor IDH do país – e primeiro do estado. Quando se soma a isso o fato de que foi fundada por um índio, a leitura do livro se torna importante, principalmente no atual contexto do nosso país, marcado por retrocessos e conservadorismos – principalmente no que diz respeito às causas indígenas.

O livro “Niterói, terra de índio” se apresenta como um importante documento de estudo e pesquisa da cidade e do seu fundador, Arariboia. Por meio de histórias da cidade e de seus moradores e de memórias e processos de construção identitária, a autora estuda a construção, as negações e apropriações do fundador da cidade. Quem foi Arariboia? O que ele fez? Como sua imagem foi construída e apropriada? Por que se nega e oculta o passado indígena de Niterói?

Lia Bastos é Produtora Cultural na Universidade Federal do Rio de Janeiro. É Mestre em Cultura e Territorialidades pela Universidade Federal Fluminense, com pesquisa direcionada a estudos referentes a representação, memória e pós-colonialismo. Graduada em Produção Cultural pela mesma instituição, onde participou como aluna em iniciação científica em pesquisas relacionadas à produção artística da cidade de Niterói.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + doze =