Lei Seca registra 50% de aumento de alcolizados no superferiado

Se beber, não dirija; se dirigir, não beba. A expressão, famosa há anos, é muito mais falada do que colocada em uso. E num momento em que se esperava um comportamento mais racional da população, dado o momento pandêmico que vivemos, os casos de embriaguez ao volante (alcoolemia) apresentaram aumento de 50% no período do “superferiado”.

Os dias de pausa, decretados pelo governo do estado do Rio de Janeiro, seriam para favorecer a reclusão das pessoas pela necessidade da adoção de medidas de isolamento social, por conta do aumento de casos e mortes provocadas pela pandemia do novo coronavírus, no Rio de Janeiro.

De acordo com o balanço divulgado pela Operação Lei Seca, da Secretaria de Estado de Governo (Segov), no período entre 26 de março e 4 de abril, foram realizadas 81 operações, com 3.035 abordagens e 280 casos de motoristas embriagados. Ou seja, do total de condutores abordados, 9% apresentavam alcoolemia. Percentual 50% maior do que o registrado entre os dias 16 e 25 de março, quando foram feitas em 76 ações da operação Lei Seca. Em 2.939 abordagens, foram registrados 171 casos de alcoolemia.

À LUZ DA PSICOLOGIA

A psicóloga Esther Rubio explicou que o ser humano tem uma tendência a querer fazer tudo aquilo que é proibido. “O ‘não’ funciona como um desafio para o cérebro humano. Além disso, o Brasil é o 1º produtor mundial de bebida destilada. Apesar dos esforços das autoridades de tentar conscientizar as pessoas, essa é também uma questão cultural. Muitos motoristas não acatam a proibição de conduzir veículo embriagado, porque se sentem capazes de continuar dirigindo mesmo sob efeito de substância alcoólica. Alguns até mesmo porque têm a certeza da impunidade”.

Quanto ao aumento dos motoristas embriagados no feriadão, Esther explica que “você tem o cenário perfeito para tudo dar errado quando se junta um ‘feriado’ de 10 dias e diz que a pessoa não pode sair, não pode beber e dirigir”

Tolerância zero

Cabe ressaltar que a tolerância da operação Lei Seca para alcoolemia é zero. Isto significa que o nível de álcool permitido no organismo é de 0%. Os condutores flagrados dirigindo sob efeito de álcool tem pena prevista de multa de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir.

‘Superferiado’

O feriado de dez dias seguidos, aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), tinha como objetivo desafogar o comércio de rua e nos shoppings centers. Além disso, foram postas em vigor, em todo o Estado, diversas medidas restritivas para diminuir o fluxo de pessoas nas ruas, evitando a propagação da covid-19. Entre elas, está o fechamento de bares e restaurantes para consumo no local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =