Laudo aponta que João Pedro pode ter sido baleado pelas costas na operação do Salgueiro

O adolescente João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, que no último dia 18, foi baleado e morreu, durante uma operação conjunta das polícias Federal e Civil, dentro de uma residência na Praia da Luz, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, teria sido atingido pelas costas.

É o que aponta um laudo cadavérico requisitado pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, e Itaboraí (DHNSG) no inquérito aberto para esclarecer a ação e apurar responsabilidades da ação que resultou na morte do jovem, que não tinha antecedentes criminais. Os agentes que participaram da ação alegam que o menor foi balado em meio a uma perseguição e confronto entre a polícia e traficantes da região, que invadiram a casa onde João Pedro estava. A família nega o fato.

De acordo com o exame, o projétil (de fuzil, calibre 5.56) entrou no corpo da vítima pela região dorsal direita, abaixo da axila, penetrou no corpo de baixo para cima, na direção diagonal, causou lesões nos pulmões e na base do coração do adolescente e ficou alojada na região da escápula esquerda, perto do ombro. O projétil foi arrecadado pela polícia e teria saído da arma de um dos agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), que participaram da ação. Ao ser baleado, João Pedro foi socorrido pelos agentes num dos helicópteros que apoiavam a operação e levado para um heliponto, no bairro da Lagoa, Zona Sul do Rio, onde faleceu. Familiares do jovem só souberam da trágica notícia cerca de 17 horas depois.

Na manhã dessa quinta-feira (28), o titular da DHNSG, delegado Allan Duarte, não confirmou as informações relativas ao laudo cadavérico, acrescentando o esclarecimento virá através do trabalho de reconstituição. A DH aguarda o resultado de um exame de confronto balístico já requisitado e também está programando para breve um trabalho de reconstituição de toda ação, que deixou dentro da residência onde João Pedro estava pelo menos 72 marcas de tiros pelas paredes do imóvel. Os agentes que atuaram no Salgueiro foram afastados das funções nas ruas.

Em apuração…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + dezenove =