Justiça nega pedido para que ex-pastor comprove origem de dinheiro doado à Universal

A Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) entrou com uma liminar para que Glaidson Acácio dos Santos, preso sob a acusação de coordenar uma pirâmide financeira bilionária, apresentasse, com urgência, documentos que explicassem a origem de R$ 72,3 milhões repassados ao templo de Cabo Frio ao longo de 14 meses. Essa liminar foi negada pela Justiça. Na ação, a entidade diz querer “provar a ausência de envolvimento com as atividades exercidas” pelo ex-garçom, que também já foi pastor da Igreja. A Universal afirma ainda que “teme acabar sendo envolvida em crimes que não cometeu pelo simples fato de ter recebido de boa-fé as referidas doações”.

A juíza Luciana Cesario de Mello Novais, titular da 1ª Vara Cível de Cabo Frio, entendeu que “não constam nos autos elementos que evidenciem o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo”. Embora reconheça “o receio da parte autora em ser indiciada por crimes que, porventura, tenham sido praticados pelos réus”.

Na ação, a Iurd relata que a “quantia que foi depositada de maneira aleatória, parcelada e sem comunicação prévia”. Ao ser interpelado pela “liderança local” sobre as doações, Glaidson teria afirmado “que passava por uma fase de grande prosperidade econômica com atividades desenvolvidas nas áreas de tecnologia e produção de softwares”, ainda conforme consta nos autos. Contatado posteriormente por um bispo, que “procurava maiores esclarecimentos sobre a real motivação das doações, diante da exorbitância dos valores”, o ex-garçom teria desligado-se da Igreja “sem explicação”.

De acordo com a Igreja, o ex-garçom colaborava, assim como os demais fiéis, “com o sustento do templo” da cidade, onde frequentava os cultos.

De acordo com a Iurd, Glaidson já atuou como pastor em um templo na Venezuela, país de origem de sua esposa, há mais de 15 anos. “Em razão da alegada impossibilidade de dedicação exclusiva ao serviço religioso, Glaidson se desligou da função e, posteriormente, voltou a frequentar o templo em Cabo Frio, onde fixou residência”, informou a Universal depois que o vínculo antigo veio à tona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − três =