Justiça mantém prisão do ‘Faraó dos bitcoins’

Glaidson Acacio dos Santos, conhecido como o ‘Faraó dos Bitcons’, teve o pedido de habeas-corpus negado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Com essa decisão, ele segue preso preventivamente, em Bangu.

Os desembargadores Flávio Lucas e Marcelo Granado, votaram contra. O voto a favor foi do desembargador William Douglas. Com 2 votos contra 1, também continuam presos os outros integrantes da G.A.S.: Felipe Silva Novais e de Michael de Souza Magno.

Alguns manifestantes reunidos na frente da sede do tribunal, no Centro do Rio, chegaram a comemorar uma suposta liberdade concedida ao Glaidson, mas era somente o voto do desembargador William Douglas. Um vídeo que circula na rede social, mostra um grupo de investidores gritando “A vitória é nossa, deu tudo certo” e cantando “Eu sou G.A.S. com muito orgulho e com muito amor”.

Na Região dos Lagos, onde Glaidson construiu seu império, algumas pessoas chegaram a promover uma queima de fogos.

“Esclarecendo que essa é uma decisão provisória, informamos que os advogados de defesa já estão desenvolvendo a estratégia necessária para recorrer à decisão aos Tribunais Superiores. A GAS Consultoria tem certeza de que a verdade e a justiça sempre prevalecerão e não medirá esforços para que o CEO da empresa consiga recuperar seu direito à liberdade”, lamentou a GAS Consultoria em nota.

Glaidson, Felipe e Michael foram presos há dois meses na ‘Operação Kryptos’, que investigava crimes contra o sistema financeiro nacional e de organização criminosa. O grupo foi denunciado por oferecer e negociar títulos sem registro prévio junto à autoridade competente, usando em seu lugar declaração falsa de instituição financeira. Um outro membro do grupo, Tunay Lima, também teve o habeas corpus negado pelo TRF-2

Risco de fuga é a alegação que os mantém presos. Quando deteve Glaidson, na casa de um amigo na Barra da Tijuca, a Polícia Federal constatou que ele tinha as malas prontas.

Desde a operação, a venezuelana Mirelis Zerpa, esposa de Glaidson, está foragida. Ela teria resgatado mais de R$ 1 bilhão em criptomoedas. Além disso, ainda consta contra Glaidson a acusação de que ele teria ameaçado reter uma jornalista em cárcere privado. A prova teria sido obtida através das quebras de seu sigilo de comunicações autorizada pela justiça.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 1 =