Jourdan Amóra: DO ROMANTISMO Á EVOLUÇÃO DOS MEIOS DE PRODUÇÃO

A atividade jornalística, ao contrário dos boletins de comunicação restrita, implica em gastos e, portanto, de meios financeiros para a impressão gráfica, a obtenção de papel, a geração de ilustrações e para o desempenho da missão de apuração, produção redacional, distribuição ao público, independente se o jornal for obra de uma só pessoa ou de pequeno grupo de idealistas, como no seu início e ao longo do século XIX.

O novo século já contava com a alavanca de empresas jornalísticas e estas suplantavam os mensageiros locais ou os porta-vozes de movimentos como a luta pelo fim da escravidão ou o fim do regime monárquico.
Exaltava-se a importância da comunicação ampla e a necessidade de controlá-la. O sistema de anúncios (“reclames”) descoberto por alguns empresários de maior visão ou de ajuda para o jornal subsistir, começou a era da comercialização do setor, surgindo órgãos oficiais de distribuição de verbas e organização de agenciadores profissionais, através de agências centralizadoras de publicidade, as primeiras de inspiração estrangeira e estimuladas por grandes grupos.

À medida que a necessidade da imprensa crescia, também cresciam os desafios para os veículos se equiparem de máquinas e de instrumentos de qualificação para saciar a crescente exigência dos leitores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 3 =