JOURDAN AMÓRA: AS OBRAS QUE O CENTRO PRECISA (XI)

O ideário da sugerida via Norte e Sul vai além da criação de uma alternativa viária para a ligação das regiões de São Lourenço e Santa Rosa. Ela estará inserida no contexto de quebrar o isolamento Bairro de Fátima-Centro da cidade e, mais do que isso, resolverá importante questão de saúde pública: o acesso imediato diante das emergências de socorro médico urgente.

Trata-se das atuais dificuldades de acesso aos importantes hospitais Antonio Pedro, Icaraí, Carlos Tortely (Centro Previdenciário), à nova Faculdade de Medicina e ao projetado Centro de Imagens, substituto do implodido, pelo Estado, Hospital Santa Mônica.

Quem está no Fonseca, Barreto ou procede da BR-101 e da RJ-106 não ficaria mais retido nos engarrafamentos da Alameda, da Feliciano Sodré e das Avenidas Jansen de Mello e Marquês do Paraná. O mesmo favorecimento terá os procedentes da Região Oceânica, Viradouro, Vital Brazil, Caramujo, Largo do Marrão e Cubango. Atender escapariam do drama do tráfego no sentido do centro.

As ambulâncias teriam desenvolvimento naqueles episódios em que o socorro de emergência não pode passar de15 minutos e haveria mais mobilidade para os tipos dos socorros urgentes exigidos ao Corpo de Bombeiros, localizado na Avenida Marques do Paraná.

Um grande fluxo de ônibus, carro e motos deixaria de ocorrer no corredor Jansen de Mello-Marques do Paraná. Mas existem outros benefícios com obras complementares ao eixo Norte e Sul, como um viaduto entre o HortiFruti e Centro Previdenciário, imaginado quando do início da obra da Nova Faculdade de Medicina, há mais de 10 anos. (Continua)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 4 =