Irmão do governador afastado, Wilson Witzel, é preso em São Paulo

O sargento da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Douglas Renê Witzel, irmão do governador afastado Wilson Witzel, foi preso por posse ilegal de arma na manhã desta quinta-feira (22), em Jundiaí, São Paulo, cidade que fica a 57 quilômetros da capital paulista.

Douglas Witzel foi um dos alvos da Operação Rebote, que foi deflagrada pelo Ministério Público Estadual e pela Corregedoria da PM. O sargento foi conduzido para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), de Jundiaí e logo em seguida encaminhado para o Presídio Militar Romão Gomes, na capital paulista.

Segundo o registro de ocorrência, a operação foi deflagrada em cumprimento de um mandado de busca e apreensão, expedido pela Justiça Militar, após uma investigação ter identificado a participação de policiais militares num esquema de furtos a caixas eletrônicos. Douglas Witzel passou a ser investigado por ser o superior hierárquico dos policias suspeitos de participação.

Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão, os policiais encontraram, no interior da residência, uma arma calibre 38 com numeração raspada, municiada com seis cartuchos intactos. Além disso, também foram apreendidos um simulacro de pistola, uma munição calibre 32 e cartuchos deflagrados de calibres 380, 38 e 40. O material apreendido se encontrava em um guarda-roupas, onde também foram encontrados seus pertences de uso militar.

Em seu depoimento, Douglas Witzel afirmou não saber que o revólver calibre 38 se encontrava no local e que a arma pertenceria ao sogro dele, já falecido. Na distrital, o sargento recebeu voz de prisão em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso proibido, uma vez que o revólver se encontrava com numeração raspada. Além do sargento Douglas Witzel, durante a operação, dois policias foram conduzidos à delegacia para prestarem depoimento, mas foram liberados em seguida.

Foram expedidos, pela Justiça, 18 mandados de prisão e 24 de busca e apreensão. Já pela Corregedoria da Polícia Militar, foram expedidos dois mandados de prisão para policiais militares e 13 de busca e apreensão, na região de Jundiaí. Segundo o Grupo de atuação especial de combate ao crime organizado (Gaeco), as investigações identificaram o envolvimento de PMs em crimes de furtos de caixas eletrônicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =