Inverno terá temperaturas amenas e pouca chuva

Raquel Morais –

Muito se falou que o inverno deste ano seria um dos mais frios dos últimos tempos. Fato é que hoje (21), com o início da estação, a Região Sudeste e, principalmente o Estado do Rio, terão temperaturas amenas e o frio deve vir apenas na madrugada e início da manhã, conforme divulgaram meteorologistas. Chuva mesmo deve vir de maneira mais intensa em agosto e apenas na região Norte do Estado. Nas demais áreas, nada que cause alarme. Com tempo mais seco e com pouca chuva, a preocupação se vira para as matas, pois aumentam as possibilidades de queimadas. Também é preciso se preocupar com a saúde, porque a estação predispõe o aparecimento ou agravamento de doenças respiratórias. Porém, quem ainda não se vacinou contra a gripe, dá tempo. A campanha de imunização termina amanhã em todo o Estado.

Segundo o ClimaTempo, a massa de ar polar que trouxe frio para áreas do Sudeste no fim de semana está se afastando para o oceano. Com a mudança na direção dos ventos, a umidade entra em queda e as temperaturas voltam a subir. O outono termina com o tempo bem típico da estação por quase toda a Região Sudeste: frio na madrugada, predomínio de sol e céu azul, com poucas nuvens e temperaturas amenas durante a tarde.

“Esse trimestre é bastante seco pela ausência da chuva na Região Sudeste. Isso favorece queimadas, má qualidade do ar, clima seco e umidade relativa do ar baixa. O inverno é para ser entendido como o pico do frio e à medida que vai passando, o frio diminui e vai esquentando (o tempo). Pode chover no Rio de Janeiro, mas de forma eventual. O inverno desse ano será muito parecido com o de 2017 e não será rigoroso”, explicou o meteorologista Alexandre Nascimento.

O inverno é caracterizado também por aglomeração em ambientes fechados e até mesmo o consumo menor de água e a saúde não pode ficar de lado no clima mais frio.

“Os extremos de idades, crianças e idosos, sofrem com as doenças no aparelho respiratório, por exemplo. Importante é manter uma boa alimentação, hidratação e continuar cuidado da saúde de uma maneira ampla. Usar agasalho de acordo com a temperatura, sem excessos, e deixar os ambientes arejados são algumas medidas que minimizam o aparecimento desses problemas de saúde”, comentou a ginecologista Ana Claudia Sodré, da Clínica Cmad, em São Gonçalo.

Vacinação – Dados do Ministério da Saúde apontam que de janeiro a 2 de junho foram registrados 2.315 casos de influenza de todos os tipos no Brasil, causando 374 mortes. Para especialistas da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro (Soperj), a vacinação contra a gripe é de extrema importância para prevenir os casos da doença, principalmente com as temperaturas mais baixas. O médico Paulo Cesar Guimarães, membro da Soperj, explicou que as infecções respiratórias mais comuns são a rinite, a rinossinusite, amigdalites e otites, nas vias aéreas superiores; e as pneumonias, broncopneumonias, bronquiolites e síndrome respiratória aguda grave (influenza), nas vias aéreas inferiores. O médico ressaltou que, após a vacina, o corpo demora em média 15 dias para reagir contra a gripe.

“A vacina é produzida com vírus inativado e fracionado. Em outras palavras, é com vírus morto, não pode provocar a doença. As infecções das vias respiratórias têm maior facilidade de ocorrer no inverno e muitas são agravadas por alergias. Em temperaturas mais baixas, o confinamento favorece a propagação de vírus e a contaminação. Tanto em casa, como nas creches, escolas e ambientes de trabalho, costumamos ficar em ambientes fechados, sem ventilação, e isso se acentua nos dias frios, aumentando a propagação de vírus”, frisou.

A Campanha Nacional de Vacinação segue até amanhã (22) e em Niterói 92.900 pessoas foram vacinadas. A meta, no entanto, é imunizar 154 mil pessoas. A vacinação segue nas policlínicas regionais, unidades básicas de saúde e módulos do Programa Médico de Família, das 8h às 17 horas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *