Infração em alta

Pokémon Go, Whatsapp e Facebook. Muita atenção, motoristas! A partir de novembro as multas para quem for pego mexendo no celular ao volante aumentarão em 60%, passando a custar R$ 293,47, com perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A infração passará de grave para gravíssima. Segundo o Detran/RJ foram aplicadas 75.439 multas em Niterói de janeiro a junho deste ano, desse total 1.447 são por uso de celular ao volante. No ano passado, foram aplicadas apenas 146 multas pela mesma infração, ou seja, um aumento de 891%.
Segundo o Detran do Rio de Janeiro, o uso do celular e smartphones ao volante está entre as infrações de trânsito mais cometidas no Estado. De janeiro a maio deste ano, o número de notificações por uso indevido da tecnologia ao volante chegou a 45.209 em todo o Estado e 25.204 apenas na Capital. O aumento é progressivo, levando em consideração todo o ano de 2015, onde foram aplicadas 93.221 multas no estado e 40.517 na capital.
“Celular e direção são uma combinação perigosa. Se for preciso falar ou enviar mensagem, o motorista deve parar em lugar seguro. Na direção, não vale a pena dividir a atenção, até mesmo o GPS deve ser usado com o veículo parado”, disse a diretora de Habilitação, Janete Bloise.
Segundo o policial rodoviário federal José Hélio, o número de pessoas multadas por dirigirem no celular tem crescido e isso é preocupante.
“Nos últimos anos a gente teve um aumento considerável no número de pessoas que dirigem no celular, principalmente com esses aplicativos de troca de mensagem. Isso é bastante preocupante porque nas rodovias qualquer descuido pode ser fatal. A falta de atenção é uma das principais causas de acidente não só no Rio de Janeiro como em todo país.

Farol nas estradas
O uso do farol baixo nas rodovias já está valendo desde julho, mas muita gente continua trafegando pelas estradas estaduais e federais sem a utilização deste mecanismo. Estudos do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) apontam que a presença de luzes acesas reduz entre 5% e 10% o número de colisões por parte do motorista. O farol baixo não pode ser substituído por de milha, de neblina ou farolete, mas o uso de faróis de rodagem diurna ou de LED está liberado pelo órgão. A lei que estabelece a medida foi aprovada pelo presidente interino Michel Temer, no dia 24 de maio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *