Infectologista diz que medidas restritivas em Niterói são necessárias

Na lista de recomendações Organização Mundial de Saúde (OMS) um dos itens para diminuir os casos de infecção pela Covid-19, além do uso da máscara e higienização correta das mãos, é o distanciamento social. Recentemente o assunto voltou a ser discutido até no Supremo Tribunal Federal (STF) e tratou sobre a autonomia, ou não, dos estados e municípios em criar normas para limitar a circulação de pessoas.

Foi decidido que a autonomia continua apesar da discrepância de opiniões que o distanciamento social, ou não, ajuda na redução dos casos da infecção pela Covid-19. O assunto em pauta tratou até mesmo da abertura ou não de igrejas e templos religiosos.

Além disso a abertura de restaurantes e bares continua em alta em vários municípios, como é o caso de Niterói. Nesse sábado (10) foi publicado um decreto com mudança e aumento do prazo de restrição de funcionamento de estabelecimentos. A nova normativa provocou mudanças e gerou conflito entre quem quer continuar com estabelecimentos abertos e quem não quer.

O infectologista Dr. Alberto Chebabo, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), disse, por exemplo, ser a favor do fechamento do takeaway (retirada do produto no local) em bares e restaurantes. “Esse tipo de serviço aumenta aglomeração na porta do restaurante ou bar de pessoas aguardando o pedido. Quanto menos aglomeração, menos casos, menos transmissão e menos mortalidade”, sintetizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 6 =