Incêndios em vegetação mais que dobram em um mês no Estado

O inverno no Estado tende a ter dias quentes como o verão, mas diferente de outras estações há pouca incidência de chuva, deixando o clima mais seco e aumentando a chance de incêndios, principalmente em áreas de mata e vegetação. Nesta sexta-feira (02), quem passou por Charitas, em Niterói, presenciou um incêndio que atingiu grande parte da vegetação que fica em cima do túnel. De acordo com dados do Corpo de Bombeiros, julho registrou 2.801 ocorrências, sendo 303 em áreas protegidas, como parques, reservas e áreas de proteção ambiental, quase 10 vezes mais que março (266), mês de chuva e clima úmido.

Segundo Bombeiros, as chamas em Niterói começaram em uma pilha de lixo que, por conta do tempo seco, se alastrou pela vegetação. Foram necessárias duas equipes da corporação, além de agentes da Defesa Civil, que utilizou um drone para monitorar os pontos de foco de incêndio, para controlar as chamas. Apesar do incêndio nesta sexta, Niterói não está entre as cidades com mais casos no Estado. Números do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que a cidade do Rio de Janeiro lidera o número de queimadas em 2019, São Gonçalo ocupa a oitava posição, enquanto Itaboraí está em 11º.

Dados dos Bombeiros mostram que janeiro foi o mês com maior número de incêndios, 3.597, seguido de uma queda vertiginosa nos meses seguintes, com 805 casos em fevereiro com 805 e 266 em março. O número só começou a subir a partir de abril quando foram registrados 592 ocorrências, mantendo-se praticamente igual em maio (559) e aumentando em junho (1.219) e julho (2.801) considerados meses secos.

Se forem levados em consideração apenas os focos em áreas protegidas, até julho foram registrados 1.190, uma média de cinco incêndios por dia em 2019. Segundo o Corpo de Bombeiros focos de incêndio em vegetação são mais comuns quando há conjunção de fatores como altas temperaturas, baixa precipitação e baixa umidade relativa do ar.

Embora muitas vezes não seja possível evitar este tipo de ocorrência, os bombeiros recomendam não acender fogueiras; não queimar lixo no quintal; não soltar balões; não jogar pontas de cigarro em qualquer ambiente, principalmente, nas estradas próximas à vegetação; não jogar garrafas de vidro em áreas florestais e em beira de estrada. Elas funcionam como lente de aumento para os raios solares, gerando calor.

“Quem provoca incêndio está sujeito a pagar multas altas ou até mesmo ser preso, dependendo das consequências dos seus atos. Por isso, a conscientização é dever de todos. É ideal que a população ajude a denunciar este crime por meio do telefone de emergência da Policia Militar (190). Não há recompensas, mas o que vale é a colaboração de cada cidadão para a preservação do meio ambiente”, esclareceu em nota o Corpo de Bombeiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + um =