Incêndio destrói parte de casarão histórico no Fonseca

Um incêndio de grandes proporções atingiu um casarão histórico que fica dentro do condomínio Solar do Barão, no Fonseca, Zona Norte de Niterói. O local, que abrigou o tradicional Colégio Brasil na década de 1950, foi interditado pela Defesa Civil Municipal por oferecer riscos de desmoronamento. Ninguém ficou ferido nem foi preciso atendimento por conta de inalação de fumaça. Os militares do Corpo de Bombeiros passaram todo o dia no local.

Os bombeiros ainda não sabem o que teria ocasionado o incêndio, mas suspeitam que as chamas podem ter sido provocadas por uma guimba de cigarro. As chamas começaram por voltas das 5 horas, quando moradores assustados desceram dos apartamentos. “Logo chamamos os bombeiros que conseguiram apagar o fogo. Mas como tem muita folhagem seca e madeira no casarão, toda hora o fogo recomeçava. Foi muito triste isso tudo que aconteceu, ainda mais com um patrimônio tão lindo e rico em história como esse”, comentou a síndica geral do condomínio, Elizabeth Oliveira, de 52 anos.

Segundo os moradores mais antigos, na época da construção do condomínio uma das cláusulas do contrato foi a exigência de se manter o prédio, construído pela Família Brasil, onde até mesmo o cantor Roberto Carlos estudou. Colega de classe do ‘Rei’, Mário Pacheco, de 76 anos, é um dos moradores do local e lamentou toda a tragédia. “A família queria dar esse prédio para a Prefeitura de Niterói fazer a restauração e o tombamento histórico. Isso se arrasta há anos e, com isso, o casarão foi sofrendo com a ação do tempo. Telhas já caíram, parte do telhado e das paredes também, e é uma pena. Até poucos anos atrás ainda tinha livros dentro das salas de aulas. Eu olho esse colégio e lembro da minha infância todinha e ver ele queimando hoje foi doloroso demais”, comentou emocionado.

A aposentada Leila Potiguara, de 60 anos, disse que um cheiro forte de fumaça foi sentido na tarde da quarta-feira. “Os funcionários chegaram a fazer uma ronda no condomínio, mas não acharam nenhum foco de incêndio”, apontou.

Ao todo o condomínio contempla quatro blocos, 352 apartamentos e tem cerca de 1.100 moradores. Apesar de toda movimentação dentro do espaço, o casarão não era utilizado como área de lazer desde 2013, quando a síndica conseguiu interditar o prédio. “Era perigoso a brincadeira das crianças lá dentro. O prédio estava, e está, sem manutenção e deteriorado. Além do perigo físico, o espaço era foco de muitos animais como pombos, ratos, gatos, gambás e cupins, por exemplo”, explicou Elizabeth, que também informou que há anos espera essa revitalização. Pelos processos, ela calcula que deva custar R$ 3 milhões. “A Prefeitura não assumiu isso ainda por falta de verba. Mas precisamos de uma solução definitiva. É muita história que está se perdendo por ação do tempo”, completou.

O vereador Leonardo Giordano (PCdoB) informou que desde 2013 discute essa questão na Comissão de Cultura, Comunicação e Patrimônio Histórico da Câmara. “Além do tombamento do prédio histórico também comento sobre a construção, no local, do primeiro centro cultural público da história de Niterói na Zona Norte. Eu consegui articular com a família a doação do prédio ao poder público e, apesar de a doação não ter acontecido, temos um documento onde a família se compromete a doar se for de fato para a construção de um centro cultural público”, comentou.

O parlamentar explicou que vai enviar um ofício da Comissão de Cultura para a autoridade policial pedindo a investigação. “Não quero pré-julgar nem antecipar nada, mas acho importante saber o motivo do incêndio. A outra medida é reiterar, junto ao poder executivo municipal, a ideia de que a prefeitura possa nos ajudar numa articulação de captação de recursos para fazer esse centro cultural público, pois mesmo após o incêndio a área está disponível. A situação é grave, ainda temos a oportunidade, já que ainda existe o desejo da família de fazer a doação do terreno para a construção do centro cultural’, concluiu.

A Prefeitura de Niterói não se posicionou sobre o assunto até o fechamento dessa edição. O Corpo de Bombeiros também não divulgou nota sobre a ação de ontem.

PADARIA TAMBÉM FOI QUEIMADA EM 2010

Augusto Aguiar
No dia 18 de agosto de 2010 um incêndio destruiu a antiga Padaria Franceza, situada no número 18 da Rua José Bonifácio, em São Domingos. O imóvel, datado da segunda metade do século XIX, foi totalmente consumido pelas chamas. Bombeiros do 3° GBM combateram o fogo bombeando água da piscina de uma academia, vizinha da padaria. O imóvel foi interditado pela Defesa Civil, pois havia risco de desabamento. Há poucos metros de onde se situava a Padaria Franceza também residiu José Bonifácio, amigo do imperador, e um dos articuladores da Independência, que mudou-se para município pouco antes de sua morte. A rua onde estava antiga panificadora passou então a ter seu nome.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *