Impulso nas cervejarias

Raquel Morais –

Está para ser enviado para a Câmara Municipal um projeto de lei para licenciar os cervejeiros artesanais de Niterói. O documento foi montado através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Indústria Naval e Petróleo e Gás, em parceria com representantes do segmento, com a Universidade Federal Fluminense (UFF) e com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Cervejeiros da cidade comemoram a iniciativa e já almejam aumento no movimento com turistas e economia de custos, que pode chegar aos 20%.

Niterói só tem duas fábricas legalizadas, Noi e Serra Verde Imperial, e depois de algumas reuniões entre o grupo o material foi feito e começou a ganhar forma. “Esse projeto trouxe à tona muitas ideias e abre muitas portas. A UFF tem um laboratório que faz análise de água para cervejas e todos esses braços vão propiciar o crescimento de um ambiente bem favorável para a produção”, explicou Sandro Gomes, cervejeiro e dono da marca Dead Dog.

O dono da Cervejaria Arariboia, que fica no Centro de Niterói, disse que se desloca para Angra dos Reis, onde terceiriza os serviços de uma fábrica de cerveja. “É uma dificuldade burocrática para fazer cerveja em Niterói e acho que esse projeto vai ser muito eficiente para o nosso mercado. Virando lei vai regulamentar tudo e vamos conseguir economizar até 20% com logística e deslocamento para outra cidade”, comentou Davi de Souza, que também é vice-presidente da Associação de Cervejeiros Artesanais de Niterói (Acerva Niterói).

Além da economia, o sommelier de cervejas Gil Lebre ressaltou o turismo como um dos pontos positivos dessa regulamentação. “Para o turismo a cerveja artesanal é uma das formas fáceis de atrair muitas pessoas para a região, que tem uma gama muito grande de apreciadores. Na cidade existem muitas pessoas que faziam cerveja em casa, como hobby, e resolveram investir nesse ramo. Mas para isso precisam terceirizar a produção, já que o investimento é muito alto e muito burocrático”, completou o morador de Niterói que em 2015 foi campeão brasileiro de sommelier de cerveja.

Junto à regulamentação, a ideia é transformar a cidade em um Polo Cervejeiro, inclusive com um selo de qualidade. “Juntamos os cervejeiros, ouvimos as demandas, chamamos a UFF e Firjan e fizemos uma proposta de projeto de lei. Se aprovada eles vão poder ter o registro no Ministério da Agricultura para poder trabalhar como produtor. Isso vai movimentar a economia do município e eles vão participar dos eventos promovidos pela Prefeitura em áreas públicas, por exemplo”, justificou a subsecretária da pasta, Lindalva Cid.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 14 =