IML de Niterói coleta amostras de DNA de familiares de desaparecidos

A busca por pessoas desaparecidas recebe, a partir desta segunda-feira (14), um importante reforço. A Secretaria de Estado de Polícia Civil (SEPOL), por meio do Instituto de Pesquisa e Perícias em Genética Forense (IPPGF), realiza nesta semana um mutirão para coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas. A expectativa é mais que dobrar o banco de perfis genéticos do Rio de Janeiro voltado para a busca de desaparecidos, que hoje conta com 1280 amostras. O trabalho faz parte de uma campanha nacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

De acordo com a Polícia Civil, podem participar da campanha pais, filhos e irmãos de mesmos pai e mãe de desaparecidos. As coletas serão realizadas desta segunda até sexta-feira (18), em 13 postos espalhados por todas as regiões do estado. A coleta é bem simples e indolor, feita passando na parte de dentro das bochechas do familiar, uma espécie de suporte contendo uma pequena esponja na extremidade (semelhante a um “cotonete”). Todo o trabalho vai seguir os protocolos de segurança e distanciamento adotados por conta da pandemia da covid-19.

Em Niterói, a coleta é feita no Porto Regional de Polícia Técnico-Científica (PRPTC), do Barreto, que fica às margens da Avenida do Contorno (BR-101). Cabe ressaltar que, em geral, as coletas são feitas por encaminhamento das delegacias, após o registro de desaparecimento. Para a campanha, porém, isso não será obrigatório. Qualquer pessoa com um familiar desaparecido poderá procurar os postos. Neles, haverá policiais civis fazendo o acolhimento e, se o registro ainda não tiver sido feito, os agentes auxiliarão encaminhando as pessoas às delegacias mais próximas.

Histórico

O banco de perfis genéticos do IPPGF existe desde 2012 e é uma referência no Brasil, contribuindo com cerca de 26% das amostras coletadas de familiares no Banco Nacional. Foi no banco Estadual que ocorreu, em 2013, o primeiro “match” do país, ou seja, a primeira vez em que um material genético depositado no banco de DNA conseguiu identificar um corpo como sendo o de uma pessoa desaparecida através de um sistema informatizado (CODIS/FBI).

Toda vez que há um corpo não identificado em um exame genético realizado pelo IPPGF, o seu DNA é comparado semanalmente aos perfis genéticos de familiares que já estão no banco. Isso aumenta a chance de chegar à identidade da pessoa falecida e ajudar a família a entender o que aconteceu com ela. A busca de pessoas desaparecidas não fica restrita somente às amostras coletadas no Rio de Janeiro, pois há uma Rede Nacional Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG/MJSP) que permite a comparação com amostras e familiares de outros Estados do Brasil. Com a campanha, mais famílias poderão ser beneficiadas pelo trabalho do IPPGF e de seus parceiros em outros estados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.