Ilha da Boa Viagem: licitação para recuperação de edificações sai em março

A licitação para contratação da empresa que fará as obras de restauração do castelo, da capela Nossa Senhora da Boa Viagem e do fortim da Ilha da Boa Viagem, acontecerá no dia 17 de março. O prazo para conclusão da obra é um ano a partir da ordem de início. Desde dezembro, a Ilha já recebe obras de contenção de encosta e melhoria dos acessos. Atualmente, o trabalho consiste na fase de sondagem, topografia, limpeza e preparo do terreno. Serão construídas estruturas estabilizadoras, além de pavimentação e acabamentos na Avenida General Milton Tavares de Souza. A previsão de término destas intervenções é junho. O orçamento estimado de R$ 6.230.817,74.

Segundo o edital do projeto, a capela necessita de um restauro de caráter conservativo, pois apresenta problemas decorrentes da ausência de manutenção periódica. Algumas fachadas têm infestação de liquens sob a camada atual de pintura a cal com existência de fungos. A fachada principal, a lateral esquerda e a torre sineira necessitam de um profundo trabalho de restauro, entre outras intervenções.

Já no fortim a intervenção proposta é de conservar a volumetria, sob certo aspecto arquitetônico, mantendo o caráter de ruína, no sentido de não agregar informações ou interpretações atemporais, porém estancando o processo de erosão e assoreamento da região, provocados pela exposição às intempéries e por conta da sobreposição de placas tectônicas que formam a ilha.

Ainda de acordo com a publicação o castelo, onde funcionava a sede dos Escoteiros do Mar, necessita de uma intervenção radical envolvendo estrutura, telhado, e todas instalações, além das fachadas e esquadrias. A intervenção proposta, primeiramente visa a restauração da arquitetura das fachadas e cobertura. Porém, lajes e revestimentos internos serão totalmente substituídos, adequados a reutilização com espaço expositivo e serviços.

Em janeiro foram inciadas as obras de contenção de encostas e melhorias dos acessos da Ilha, com investimento de R$ 1,4 milhão e previsão de término para junho desse ano. Segundo nota da Prefeitura de Niterói a obra está na fase de sondagem, topografia, limpeza e preparo do terreno. Serão construídas estruturas estabilizadoras, além de pavimentação e acabamentos na Avenida General Milton Tavares de Souza.

A Prefeitura de Niterói apresentou, em 2019, ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) o projeto executivo para a restauração, que foi aprovado pelo órgão. O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão (Seplag), Axel Grael, explica que o projeto executivo foi elaborado com base nas normativas do Iphan e que esta é uma restauração de caráter conservativo.

“A restauração do conjunto de monumentos históricos da Ilha será realizada sem descaracterizar o patrimônio que se encontra ali. Nossa ideia é agregar a ilha à cidade trazendo de volta as visitações ao espaço, que tem uma vista privilegiada e muita história para ser compartilhada com moradores e visitantes da cidade”, afirma Grael.

A Ilha da Boa Viagem abriga dois monumentos históricos: a capela de Nossa Senhora da Boa Viagem e o fortim, ambos do século XVIII. Durante a Segunda Guerra Mundial e os anos 1940, também foram construídas mais duas muralhas, sendo uma delas semelhante a um pequeno castelo.

Em 2016, a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) concedeu a anuência ao Município, permitindo que a Prefeitura realize as intervenções no local. Na proposta inicial está prevista a reforma da capela mantendo sua estrutura original e criando uma melhor acessibilidade ao local, além de um banheiro. Para o fortim, também será mantida a estrutura original sendo feita a restauração necessária.

História – A Ilha de Boa Viagem é tombada como patrimônio natural e histórico em 1938 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e tem 127 degraus que dão acesso à parte superior da ilha. Abriga dois monumentos históricos: a capela de Nossa Senhora da Boa Viagem e o fortim, ambos do século XVIII. Durante a Segunda Guerra Mundial e os anos 1940, também foram construídas mais duas muralhas, sendo uma delas semelhante a um pequeno castelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *