Idosos acima de 85 anos recebem em casa a primeira dose da vacina em Maricá

Depois de concluir a etapa de vacinação de idosos com idades entre 90 a 94 anos contra a Covid-19 em suas residências, a Secretaria de Saúde deu início na sexta-feira (26) à aplicação, também nas residências, da primeira dose do imunizante nos cerca de 1.100 idosos de 85 a 89 anos cadastrados nas Unidades de Saúde da Família (USF).

Como vem acontecendo desde o início da campanha, diversas equipes compostas por uma técnica em vigilância em saúde, uma técnica em enfermagem e Agentes Comunitários em Saúde se dividem para cobrir toda a cidade. Uma das equipes partiu do Posto de Saúde São José do Imbassaí II com a meta de vacinar os 45 idosos que são atendidos pelas unidades de saúde que cobrem a localidade.

Ao longo de sexta-feira, mais de 15 idosos foram contemplados. Antes de aplicar a vacina, os profissionais mostraram o líquido sendo retirado do frasco com a seringa, procedimento padrão adotado para evitar fraudes como as que ocorreram em algumas cidades.

Na Rua Magnólia, a aposentada Célia dos Santos, de 89 anos, recebeu a primeira dose e já faz planos para quando receber a segunda.

“Depois da segunda dose quero ir para Aracaju, onde mora minha família. Tenho uma tia de 95 anos e quero ir para passar uns dias com ela”, contou.

Próximo dali, na Rua das Gardênias, o aposentado Olympio Ferreira, de 88 anos, foi o contemplado. Sua filha, Idenilza Ferreira de Araújo, de 57 anos, se mostrou mais aliviada em ver seu pai ser parcialmente imunizado.

“Estou muito feliz por ele estar imunizado. É continuar no mesmo ritmo, manter a distância e usar bastante o álcool em gel. Não é porque tomou a primeira dose que já está livre. Tem que ficar guardadinho até estar imunizado por completo”, disse a dona de casa”. “Agora é esperar a vez da minha mãe que tem 82 anos de idade”, completou.

Outra que recebeu a vacina foi a aposentada Ana Maria Melo Pires, de 87 anos, que contou do que mais sente falta nesse período de isolamento.

“Gosto de passear, conversar com os vizinhos e visitar o meu bisneto de 3 anos. Choro de saudade dele”, revelou.

Sua filha Eunice Melo de Oliveira, de 56 anos, não escondeu a emoção.

“Já até chorei. Tenho duas filhas e dois netos e fico com medo deles virem aqui. Quando vêm, ficam pouco tempo, usam máscara e álcool em gel, respeitando todos os protocolos de segurança. Chega de novo normal. Quero o normal de volta”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =