Idosa morre ao ser baleada no peito dentro do quintal de casa em SG

No intervalo de apenas um mês, três pessoas morreram tragicamente atingidas por balas pedidas na cidade de São Gonçalo. Em comum entre as vítimas, uma triste coincidência: todas eram idosas. O caso mais recente caso vitimou Lisete Pereira, de 78 anos, que morreu após ser atingida por um tiro no peito, quando estava no quintal de sua residência, no bairro Arsenal, na tarde de domingo. A ocorrência está sendo investigada pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG). A vítima foi sepultada na tarde de ontem, em clima de grande comoção, no Cemitério São Miguel, em São Gonçalo.

O 7º BPM (São Gonçalo) não confirmou que estaria ocorrendo operação policial na região com troca de tiros. Apesar disso, familiares contaram que ouviram disparos quando Lisete foi atingida. “Teve um tiroteio sim, não sei explicar o que aconteceu. Eu tinha ido ao mercado. Ela ficou em casa com as crianças, ficou na varanda foi quando me ligaram que ela tinha sido ferida por um tiro”, contou o sobrinho e afilhado da vítima, Maurício Pessanha, de 54 anos.

Parentes e amigos de Lisete manifestaram toda a consternação nas redes sociais, lamentaram a morte da idosa, e protestaram. “É com muitas lágrimas nos olhos e com o coração despedaçado que hoje eu não tenho mais a senhora aqui. Tudo por causa de uma guerra que não era sua e nem da nossa família. Cada dia que passa estamos sujeitos de uma bala, não perdida e sim encontrada, nos atingir. E nesta manhã, em meio a guerra entre polícia e bandidos a senhora dentro da sua casa foi atingida.”, escreveu um parente.

De acordo com familiares, a vítima ainda chegou a ser socorrida e levada para o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no bairro Colubandê, mas já chegou a unidade médica sem vida. “Uma perda muito grande, era minha madrinha também. Nunca é bom perder alguém que você ama” lamentou o sobrinho.

No dia 6 de dezembro do ano passado, Sandra Gomes Sales, de 61 anos, morreu ao ser baleada no momento em que seguia para buscar o neto na escola, no bairro Jardim Catarina, nas imediações de sua residência. No momento do fato ocorria uma operação policial no bairro de retiradas de barricadas, que resultou em troca de tiros.

Dez dias depois, no dia 16 dezembro, Maria dos Remédios Vilarinho de Jesus, de 68 anos, foi baleada e morreu no mesmo bairro, quando estava junto com filho e retornava de um chá de bebê quando foi atingida. No momento do crime, policiais militares foram atacados a tiros por criminosos armados em meio a uma perseguição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + vinte =