Identidade por meio do artesanal

A Coordenação Municipal de Turismo, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo de Quissamã, realizou na tarde de quinta-feira um passeio com cerca de 20 artesãos aos principais pontos de visitação da cidade. A finalidade é permitir a criação de uma identidade cultural nos trabalhos confeccionados pelos divulgadores, a partir das manifestações populares e do patrimônio histórico para gerar trabalho e renda, e consequente incremento do setor turístico.

“Quissamã é rica em história e deve ser mostrada nos trabalhos feitos pelos nossos artesãos. A preservação da memória cultural da cidade é um dos segmentos mais importantes para o turista, que busca os atrativos em suas visitações”, disse a turismóloga Vivian Pessanha.

Os artesãos foram guiados por Vivian e visitaram cinco pontos. Na praça Brigadeiro José Caetano foi ressaltada a história do pioneiro do núcleo central; no coreto da igreja, que foi palco de missas e batizados, a estrutura ornada de lambrequins; no Centro Cultural Sobradinho, as características do imóvel e de seus proprietários; no Museu Casa de Quissamã, um baobá (árvore nativa de regiões tropicais da África) de 105 anos e o acervo mobiliário, e por último na Fazenda Machadinha, o memorial com peças em madeira e fotos da comunidade quilombola, além do artesanato local e contação de histórias com os moradores Dalma Santos Ricardo e seu Tide, em uma parceria com a coordenação de Cultura.

Segundo o coordenador municipal de Turismo, Luiz Carlos Fonseca, a iniciativa – pela primeira vez – teve boa repercussão e será realizada em outras datas. “A ideia é promover novas visitações ao nosso patrimônio cultural, composto pelo conjunto dos bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos, facilitando a criação de postos de trabalho”, explica, ao acrescentar que existem três produtos prontos: turismo histórico em dois momentos (Freguesia, Sobradinho, Praça e Museu) e a comunidade quilombola de Machadinha, além do turismo ecológico (Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba).

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Arnaldo Mattoso, o turismo é uma importante alternativa econômica para a região. “A crise internacional do petróleo tem impactado diretamente os municípios do Norte Fluminense e é preciso buscar opções. Esse setor merece atenção especial e por orientação da prefeita Fátima Pacheco vamos impulsionar a atividade”, completa Mattoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + três =