Huap cria Caixa de Memórias para familiares de pacientes que faleceram por coronavírus

A Covid-19 já tirou a vida de muitas pessoas. Pensando na dor dos familiares, a Ação de Humanização para Enfrentamento da Pandemia do Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap) criou um projeto para fazer com que a entrega dos pertences de pacientes que faleceram pela doença seja um pouco mais afetiva e humanizada. A partir desta semana, os parentes irão receber a Caixa de Memórias, acompanhada de flores e um cartão com mensagem de apoio e contatos para ajuda psicológica neste momento tão difícil.

“A Caixa de Memórias surgiu com o intuito de transformarmos a experiência dos familiares de pegar os pertences “contaminados” dos pacientes que faleceram em algo mais carinhoso e de cuidado. As boas lembranças permanecerão para sempre, a morte não encerra esse vínculo. Essa é uma forma de ajudá-lo a começar a elaborar seu luto, um processo tão singular a cada um. Assim, pretendemos também mitigar o impacto à saúde mental das pessoas por conta da pandemia”, explica Thábata Luiz, psiquiatra do Huap e uma das idealizadoras.

Antes, os familiares levavam os pertences em um saco, que ficava por três dias de quarentena, devido ao risco de contaminação. Agora, a entrega é feita na Caixa de Memórias, lembrando ao parente que a vida daquele paciente foi compartilhada, e ele esteve presente em vários momentos dela. É importante não se reduzir ao momento da morte, mas sim pensar em toda a história e bibliografia. As caixas são confeccionadas por Thábata e pelas psicólogas Tânia Ventura e Virgínia Dresch. O projeto conta com a colaboração da ACHUAP (Associação dos Colaboradores do Hospital Universitário Antônio Pedro).

A ideia surgiu depois que a psiquiatra ouviu do chefe do CTI de Covid-19, Túlio Possati de Souza, que ele havia ficado muito comovido após o falecimento de uma paciente, quando seus pertences foram entregues à família em um saco plástico. Agora, com a Caixa de Memórias, fica mais afetuoso. Lembrando que a caixa não estará contaminada, pois não entra no CTI, nem tem contato com pacientes infectados por coronavírus. Para Túlio, a pandemia interfere diretamente na relação médico-paciente, tornando ainda mais importante a ação humanizada.

“A pandemia por Covid-19 está sendo desafiadora em diversos aspectos. O momento da entrega dos pertences dos pacientes que evoluem para óbito tem sido tenso e difícil. Os objetos eram entregues nos sacos e os familiares orientados a respeitarem um tempo de quarentena específico (três dias) em domicílio, antes de ter acesso ao conteúdo. A iniciativa de confecção da Caixa de Memórias ajuda a ressignificar esse momento que tem sido tão complicado não somente para os familiares, mas também para os profissionais (e o sistema de saúde)”, frisou.

Visitas virtuais a pacientes no CTI também serão iniciadas esta semana no Huap

Um outro projeto que também saiu do papel e começará a ser aplicado esta semana é a visita virtual a pacientes do CTI do Huap internados com coronavírus. A ideia é que, através de um tablet, eles possam entrar em contato com os familiares, já que o ambiente de Covid-19 é de alta contaminação, inviabilizando presença física. Segundo Thábata, o objetivo é minimizar estressores adicionais, como afastamento familiar e impossibilidade de despedida. Assim, contribui-se para a prevenção de transtornos mentais, como luto complicado e estresse pós traumático:

“A média de permanência das internações de pacientes com coronavírus varia bastante, e envolve isolamento deles e seus familiares. Muitos ficarão sem contato e em solidão, já que mante-los com seus celulares nem sempre é uma opção viável. Por outro lado, os familiares também vivenciam a angústia pela não interação com seu ente querido. A criação de um fluxo de comunicação voltado a esses pacientes e sua rede de apoio social, através de visitas virtuais, mostra-se como importante recurso para humanização do atendimento e redução do sofrimento”, ponderou.

O médico Túlio acrescenta que a inexistência das visitas prejudica, principalmente, pacientes idosos com potencial de desenvolvimento de delírio e síndrome do confinamento. Além disso, o contato olho no olho e a proximidade física facilitam, inclusive, a comunicação de notícias difíceis e a percepção de entendimento do que está sendo dito. “Ou seja, a elaboração das visitas virtuais através de tablets surge como uma boa alternativa para contornar esse isolamento social imposto pela doença”, ressalta o chefe do CTI.

PsiCOVIDa ajuda profissionais de saúde do Huap

Outro trabalho que já vem sendo realizado no hospital desde abril é o PsiCOVIDa, acolhimento aos profissionais de saúde do Huap na linha de frente do combate à pandemia e que necessitam de suporte psíquico ou emocional. A escuta é oferecida de forma presencial ou online, e, conforme demanda avaliada pela equipe assistente, também aos pacientes internados e seus familiares. O objetivo é levar aos acolhidos a mensagem de que eles não estão sozinhos neste momento. O número de contato com a equipe é (21) 96973-2977. Para mais informações, clique aqui.

“Nós da saúde mental estamos presentes em todos os momentos dessa pandemia com intuito de cuidarmos do sofrimento das pessoas, tanto dos profissionais de saúde, quanto dos familiares e pacientes que vivenciam essas situações tão dolorosas. Com isso, estamos fazendo estas ações para que eles tenham a melhor experiência de dignidade possível dentre deste cenário. O apoio psicológico e psiquiátrico aos profissionais (PsiCOVIDa), a visita virtual dos pacientes em isolamento e a Caixa de Memórias são algumas destas ações”, finaliza a psiquiatra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 5 =