Hospital Geral de SG não tem remédios e insumos

Aline Balbino

O Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), em São Gonçalo, assim como diversos hospitais estaduais, está funcionando precariamente. Além de pagamento atrasado de funcionários terceirizados, não há material básico para atender pacientes. Funcionários afirmaram que falta gaze, seringas, agulhas, luvas, entre outros insumos. Pacientes reclamam que não estão sendo atendidos pelos médicos e estão sendo encaminhados para outras unidades. Familiares de pacientes internados afirmaram que o Centro de Tratamento Intensivo (CTI) está lotando com doentes espalhados pelos corredores. Não estão sendo aceitas novas internações por conta da superlotação e as cirurgias foram canceladas. Apenas as mais emergenciais estão ocorrendo.

O hospital é referência em traumatologia e atende, principalmente, pacientes vítimas de acidentes, queimaduras graves, vítimas de bala disparada por armas de fogo e acidentes ortopédicos. O paciente Delmo Laurindo, voltou para casa sem atendimento. Funcionários gravaram um vídeo mostrando os armários de insumos praticamente vazios.

“Estou passando muito mal e me encaminharam para cá. Eles recusaram me atender. Estou com dor de cabeça, desmaiando, vomitando e ficando meio surdo. Paguei passagem e táxi para vir aqui. Moro lá em Marambaia e vou voltar para casa sem atendimento. Agora vou contar com uma carona para ir para casa. Estou muito chateado e continuo passando mal”, disse.

Uma enfermeira que preferiu não se identificar disse que o salário está atrasados há dias.

“Os funcionários estão pedindo ajuda de familiares para poder vir trabalhar. Estamos trabalhando sem material, fazendo milagre. Estamos tentando salvar vidas sem nenhuma condição”, disse.

A Secretaria de Estado de Saúde informou que foi feito repasse ontem (18), para a organização social que administra o Hospital Estadual Alberto Torres. Os valores estarão disponíveis para a instituição.

A direção do Sindicato de Profissionais da Saúde e da Previdência (Sindsprev) foi procurada, mas não foi encontrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *