Greve dos Correios complica usuário para recebimento de correspondências e encomendas

Muitos usuários dos Correios, que estão em greve desde o dia 17 do mês passado, estão reclamando que estão recebendo correspondências com atraso e tendo muito trabalho para retirar suas encomendas no Centros de Entrega de Encomendas (CEE), sobretudo no eixo Niterói-São Gonçalo.Outros reclamam que por conta desse atraso, estão tendo de pagar boletos e faturas com juros.

No Centro de Distribuição Domiciliar, situado no centro de Niterói, na Rua Saldanha Marinho, por exemplo, várias pessoas procuraram o CDD para tentar resolver problemas de atrasos de entregas relacionadas aos bairros de Icaraí e Santa Rosa. Com abertura programada a partir das 13 horas, muitos retornaram para casa sem solucionar o impasse.

“Trabalho como office boy e estou aqui para tentar resolver um problema relacionado a entrega de quatro encomendas da empresa que trabalho. Vou tentar para ver se consigo receber aqui no distribuidor. As contas estão chegando com atraso. Já compareci no distribuidor em Santa Rosa e me informaram que a encomenda não estava lá. Me orientaram a vir até aqui, no Centro”, explicou Renato Santos Silva. Já uma dona de casa, que preferiu não se identificar, afirmou que suas contas não estão chegando em sua residência, e por isso está tentando imprimi-las pela internet, para não pagá-las com atraso e a consequente multa. “Estou aqui para tentar retirar uma encomendas que fiz de uns moldes. Esse atraso está me prejudicando”.

Operando com cerca de 40% dos funcionários, o CEE dos Correios, situado na Rua Noronha Torrezão, em Santa Rosa, não apresentou filas, na manhã de ontem. Um funcionários que preferiu manter-se no anonimato, informou que a unidade é responsável por entregas de encomendas com peso acima de 1 kg. “Com a greve, os funncionários estão trabalhando para suprir a ausência de outros e para atender a demanda. Até os gestores passaram a trabalhar na área operacional. Por lei, temos que manter pelo menos 40% do pessoal na ativa”, explicou. Ele acrescentou ainda que, no caso de Niterói, os CDDs situados na Rua Saldanha Marinho, Rua Dr. Celestino (responsável pelas entregas no Centro, e Largo da Batalha, em Pendotiba, responsáveis pela área da Região Oceânica, também estão sendo responsáveis por entregas de cartas, cartões bancários, e encomendas abaixo de 1kg. Ronaldo Martins, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro (Sintect), afirmou, na manhã de ontem, que no próximo dia 21, está previsto o julgamento do dissídio da categoria.

“Na audiência de conciliação não houve acordo.No acordo do ano passado, com duração de dois anos, a empresa recorreu. Querem retirar todas as cláusulas do acordo para facilitar a privatização. No dia 1º de agosto começaram a retirar tudo que havia sido acordado. Não houve qualquer tipo de tratativa. Vamos ver se a gente consegue aumentar algumas cláusulas”, afirmou, confirmando ainda que as agências e centros de distribuição estão operando com cerca de 40% de sua capacidade, lembrando que vários trabalhadores também se ausentaram por conta da idade e do risco de contágio pelo coronavírus, durante a pandemia, o que prejudica o atendimento da demanda, que é grande. Segundo ele, no estado são 14 CEEs e 370 CDDs, e nos municípios que não possui CEE, os CDDs acumulam funções de entregas de correspondências e encomendas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *