Gilberto Gil é eleito para a Academia Brasileira de Letras

Na tarde de hoje (11) o cantor e compositor Gilberto Gil, de 79 anos foi eleito, por 21 votos, “imortal” da Academia Brasileira de Letras (ABL). Os “imortais” são membros escolhidos mediante eleição por votação secreta.

Com Gilberto Gil disputaram o poeta Salgado Maranhão e o escritor Ricardo Daunt. Eles concorriam à cadeira de número 20, antes ocupada pelo advogado, jornalista e escritor Murilo Melo Filho, que morreu no dia 27 de maio de 2020, aos 91 anos.

O estatuto da ABL estabelece que para alguém candidatar-se é preciso ser brasileiro nato e ter publicado, em qualquer gênero da literatura, obras de reconhecido mérito ou, fora desses gêneros, livros de valor literário. Quando um Acadêmico morre, a cadeira é declarada vaga e os interessados têm 2 meses para se candidatar. Primeiro, devem enviar uma carta ao presidente. A eleição é realizada 60 dias depois da declaração da vaga.

A cadeira número 20 foi fundada por Salvador de Mendonça e tem como patrono Joaquim Manuel de Macedo. Já foi ocupada por Emílio de Meneses, Humberto de Campos, Múcio Leão e Aurélio de Lyra Tavares.

Gilberto Gil é autor de 12 livros de poesia e compositor com mais de 50 canções gravadas por ele e por outros artistas.

Duas semanas depois do AI-5 (Ato Institucional Nº 5), ato de 27 de dezembro de 1968 que marcou o recrudescimento do regime, Gil foi preso com o amigo e também compositor Caetano Veloso. Em julho de 1969 eles partiram para o exílio em Londres, onde ficaram por 3 anos.

Gilberto Gil foi ministro da Cultura durante o governo de Lula (PT), cargo que ocupou de 2003 a 2008.

As próximas eleições de imortais da ABL são:

  • Cadeira número 12 (Alfredo Bosi) – 18.nov.2021;
  • Cadeira número 39 (Marco Maciel) – 24.nov.2021;
  • Cadeira número 2 (Tarcísio Padilha) – 2.dez.2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =