Gal Costa: “acho um absurdo as pessoas quererem a volta da ditadura”

Ela vai cantar domingo em Niterói e conversou com exclusividade com A TRIBUNA

Maria da Graça Costa Pena Burgos. Esse é o nome de batismo de um dos ícones da Música Popular Brasileira (MPB). Quem falou Gal Costa acertou. A artista, que esse ano completa 77 anos, estará no dia 8 de maio, na Praia de São Francisco, em uma apresentação especial em comemoração ao Dia das Mães. Gal Costa vai apresentar o show “Várias Pontas de uma Estrela” com repertório que circula pelos hits de Milton Nascimento.

Mas na apresentação a artista passa por canções de Chico Buarque, Caetano Veloso, Dorival Caymmi e Tom Jobim. A direção do show é assinada por Marcus Preto e a banda é formada por Fábio Sá (baixo elétrico e acústico), André Lima (teclados) e Victor Cabral (bateria e percussão).O público vai poder matar a saudade da artista, que durante a pandemia da Covid-19 ficou afastada dos palcos e lançou recentemente o álbum de estúdio: “Nenhuma Dor”.

Primeira vez se apresentando em Niterói?

Não, já me apresentei outras vezes.

O que acha de Niterói? E o público de Niterói?

Cidade linda, público caloroso, como eu gosto.

O show será especial no Dia das Mães. Alguma surpresa que possa nos contar?

Nesse show eu canto uma música chamada Gabriel, que é o nome do meu filho amado. Tenho certeza que estarei ainda mais emocionada nesse dia.

Você já tinha falado que percebeu um rejuvenescimento do seu público. Continua percebendo isso?

Sim. Desde o show do álbum Recanto eu venho percebendo uma nova geração indo aos meus shows. Percebi também pelas redes sociais. Acho que quando uma música é boa, com conteúdo, agrada sempre, qualquer faixa etária. Eu fico feliz que minha voz esteja passando por novas gerações. Eu trabalho porque a música é muito importante tanto para o público quanto para minha vitalidade.

Essa é o primeiro show presencial após o início da pandemia da Covid-19?

Não. Já fizemos algumas apresentações em outras cidades.

O que está achando do atual momento do Brasil?

Tenho esperança de que dias melhores virão. A esperança move a humanidade.

 O que acha dos novos nomes da MPB que tem Gal Costa como referência?

Eu acho importante e interessante devolver, retribuir, a essa nova geração. Eles bebem na minha fonte, assim como eu me influenciei por outros artistas. Em todo disco que você lança, você presta um serviço à cultura.

Você encarou uma barra pesada no final de 60, testemunhou o exílio de Caetano e Gil. Existe alguma relação com os tempos de hoje?

Eu fico preocupada, acho um absurdo as pessoas quererem a volta da ditadura. É impensável. Mas ao mesmo tempo acredito que temos uma democracia bem estabelecida. A música da nossa geração continua inspirando e acredito que a arte seja a identidade de um povo, para trazer mais sonho e lutar contra as injustiças do mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.