“Fura-fila” da vacinação em Búzios

Há um senso comum no país de que na dificuldade o brasileiro usa toda a criatividade, principalmente para sobreviver. O prefeito de Armação dos Búzios, Alexandre Martins (PRB), parece ter se inspirado no dito popular. Ele lançou, recentemente, um método eficiente e moralmente questionável para vacinar pessoas que, razoavelmente, não fariam parte dos grupos reconhecidamente de risco para a Covid-19: resolveu incluir funcionários públicos ligados às áreas de Turismo e Cultura nas barreiras sanitárias.

As inscrições para o cadastro de vacinação foram abertas no último dia 24 pela Secretaria de Saúde, para atender todos os profissionais de saúde do município. No entanto, o conceito de profissional de saúde em Búzios parece ser muito amplo, pois compreende diversos trabalhadores, especificamente a categoria de trabalhadores de apoio onde a ocupação “outros” é encontrada.

E essa ampliação não passou despercebida. Uma polêmica nas redes sociais vem gerando grande repercussão na cidade. A grande celeuma se deu porque o funcionário da Secretaria de Turismo, Fernando Bertozzi, postou nas redes sociais, na terça-feira (29), um vídeo em que tomava a vacina contra a Covid-19. A prefeitura alegou que o funcionário trabalha na linha de frente do combate à doença.

Críticas – Muitas pessoas criticaram a vacinação de Bertozzi, que é lotado na Secretaria de Turismo, pois trata-se de um jovem e, de acordo com o calendário, os idosos ainda estão sendo vacinados, além dos profissionais de saúde. A Prefeitura de Búzios alegou que não houve qualquer privilégio.

“Ele e outros oito funcionários da Secretaria de Turismo foram vacinados porque trabalham nas barreiras fazendo a leitura dos QR codes, juntamente com os guardas municipais que atuam na linha de frente do combate à Covid-19. Mas a oposição não perde a chance”, diz a nota.

A explicação da administração municipal não “colou” para os moradores. Nas redes sociais, as críticas se multiplicaram.

“Enquanto isso, pessoas que pertencem ao grupo de risco, entre diabéticos, cardíacos, imunossupressores, lúpus e todas as doenças autoimunes, hipertensão, etc, estão aí sem vacinas, trabalhando, pois a maioria tem família para sustentar”, disse uma internauta. “Onde que precisa de profissionais de turismo na barreira? Deve ser pra justificar aquele rapaz que postou o vídeo tomando a vacina!”, disse outra moradora inconformada.

Oposição – A Câmara Municipal de Búzios possui nove vereadores, sendo o único de oposição Raphael Braga (DEM), que se disse surpreso com o fato, classificado por ele como injustificável.

“Incluir profissionais do Turismo e da Cultura como grupo de risco não se justifica e não está no protocolo do Ministério da Saúde. A vacinação já está em um ritmo muito lento em todo o Brasil, o grupo prioritário são os idosos e profissionais de saúde. Essa vacinação é imoral, faltou compaixão”, disse.

Como a Câmara de Vereadores está de recesso, Braga afirmou que na segunda-feira vai avaliar qual medida poderá ser tomada.

“Vou verificar o que pode ser feito. Se necessário, farei um requerimento para solicitar esclarecimentos à prefeitura. Se fosse incluir alguma categoria, deveria ser, por exemplo, os profissionais que atuam em farmácia e hotel, que estão muito mais expostos”, afirmou o vereador.

Pivô da polêmica – A polêmica gerada em torno da vacinação fez com que Fernando Bertozzi apagasse a publicação no Facebook. Em outro post, ele disse que quem queria desestabilizá-lo conseguiu, pois fez sua família chorar. Para ele, a polêmica não pasa de jogo político.

“A notícia publicada no Facebook e sendo disparada em grupos de WhatsApp de que “furei fila” para vacina da Covid-19, não passa de uma maldade com fins políticos. Esta semana, eu e outros funcionários da Secretaria de Turismo fomos convocados para estar na linha de frente na barreira sanitária do município. Eu topei estar lá, sem pensar duas vezes porque queria ajudar de alguma forma. E todos os profissionais que estão na considerada ‘linha de frente’ da barreira, como a guarda municipal e profissionais da saúde, foram autorizados a tomar a vacina contra a Covid-19”.

Para o servidor, a página que fez o post que viralizou agiu com o objetivo político de tentar difamá-lo.

“A página compartilha informações falsas, fazendo com que desperte o discurso de ódio e incentivo à violência. Colocando uma imagem de “o espertinho que furou fila”. Em nenhum momento a vacinação foi um pedido meu, como estão compartilhando. Quando fomos chamados, em nenhuma momento passou pela minha cabeça que iria afetar outras pessoas. Sou leigo em sistema de saúde, não sei como funciona calendário de vacinação, e não sabia nem sequer da porcentagem de vacinados no Brasil. Todos os profissionais do Turismo que estão trabalhando na barreira sanitária foram autorizados a tomar a vacina, assim como todos os profissionais de outros setores que estão atuando no local como linha de frente”, disse.

Morador do bairro da Rasa “com muito orgulho”, como disse, ele afirmou todos conhecem seu trabalho e índole.

“Tudo que conquistei foi com muita honestidade e trabalho. Uma pena que as pessoas têm tanta força para divulgar mensagens negativas, pois todos trabalhos sociais que realizei nunca foram divulgados por estas páginas e compartilhado de forma que gerasse repercussão. Infelizmente, as pessoas usam as redes sociais para a maldade. Nada que fiz de positivo teve tanta repercussão como uma matéria destrutiva. O desejo em destruir a carreira das pessoas não irá atrapalhar o sonho de quem busca fazer o bem”, afirmou.

Por Alan Bittencourt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =