Funcionários do Hospital Azevedo Lima estão com férias e salários atrasados

Centenas de funcionários terceirizados do Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, na Zona Norte de Niterói, denunciam que a administração da unidade não está pagando as férias dos funcionários desde 2016. Além desse atraso, os vencimentos de abril também não foram acertados. O problema antigo está deixando os trabalhadores inconformados, principalmente pelo momento de pandemia do coronavírus, onde os funcionários estão mais expostos à doença.

São técnicos de enfermagem, enfermeiros, auxiliar de serviços gerais e técnicos administrativos que estão passando pelos problemas financeiros.

“Nós profissionais da saúde, estamos trabalhando árduo nesta pandemia. Não é dada nenhuma satisfação para a gente. Estamos arriscando nossas vidas e trabalhando com pacientes contaminados pelo coronavírus sem grandes suportes. O mínimo que queremos é nosso pagamento em dia”, desabafou uma funcionária que não quis se identificar.

Além disso as férias de todos os funcionários do Heal foram canceladas durante a pandemia.

“Eu sei que nem temos clima para tirar férias, mas é um direito nosso. Eu estou muito cansada e é quase uma exaustão que além de física é mental. A possibilidade do contágio me deixa muito perturbada e quando a gente chega em casa, que seria o momento de paz, vejo que a conta está vencida que preciso ir no mercado e não tenho meu dinheiro. Eu tirei minhas férias em 2016 e ainda não recebi. Isso é um absurdo com o funcionário”, frisou uma enfermeira que também não se manifestou.

Na unidade, que está atendendo pacientes contaminados pelo coronavírus, uma enfermaria está destinada exclusivamente para isso com 42 leitos. E uma outra enfermaria, com mais 42 leitos, está destinada para outras enfermidades e agora é mista, para mulheres e homens. A Secretaria de Estado de Saúde (SES), responsável pelo repasse da verba, informou que realizou os repasses à OS Instituto Sócrates Guanaes, e que a responsabilidade do pagamento dos funcionários é da OS. A SES informa que, se constatado o não recebimento dos salários, irá notificar as organizações. O Instituto Sócrates Guanaes (ISG), responsável pela administração da unidade e o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde em Niterói (Sesnit) foram questionadas pela reportagem mas não se manifestaram até o fechamento dessa edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =