Flu freta voo para Equador e desagrada equipe

O elenco do Fluminense viajou ontem para a cidade de Quito, capital do Equador, onde amanhã o time mede forças com o Deportivo Cuenca a partir das 19h30min (de Brasília), no Estádio Raja Casablanca, pela partida de ida das oitavas de final da Copa Sul-Americana. Em seguida, o grupo segue para a cidade de Chapecó (SC), onde na noite de segunda-feira pega a Chapecoense, às 20h (de Brasília), pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O espaço de tempo curto para viagens longas e a recuperação do plantel é motivo de preocupação. Vale lembrar que no fim de semana os jogadores já tiveram que ir a Curitiba (PR), onde perderam de 3 a 1 para o Atlético-PR, também pelo Brasileirão, retornando no mesmo dia para a capital carioca.

O tempo estimado de viagem para Quito, já que não há voo direito saindo do Rio de Janeiro, é de nove horas. Porém, o Fluminense fretou um avião e reduziu este tempo em cinco horas. Ganhou em descanso, mas perdeu em satisfação do plantel, que não externou publicamente, mas ficou incomodado com o “luxo” em um cenário onde os jogadores estão com dois meses de salário atrasados e três de direitos de imagem, além do atraso dos vencimentos dos demais funcionários.
Após o jogo em Quito o Tricolor também vai para Chapecó em voo fretado, com uma parada em Brasília (DF). O custo da operação gira em torno de R$ 300 mil, valor considerado alto pelo momento vivido pelo clube.

Dentro de campo, o técnico Marcelo de Oliveira vai definir no treino previsto para a tarde de hoje, no estádio onde acontecerá a partida, a escalação. Na lista de inscritos o volante Dodi e o atacante Luciano substituíram o meia Luquinhas e o atacante João Carlos. Apesar disso, Dodi, com lesão muscular na coxa esquerda, não enfrenta o Deportivo Cuenca.

PEDRO

O atacante Pedro só voltará a jogar em 2019. O departamento médico não conseguiu solucionar o problema de desgaste dos ligamentos do joelho direito do jogador sem a necessidade de uma cirurgia, que acontecerá nos próximos dias e será feita pelo médico Rodrigo Lasmar, hoje no Atlético-MG. O jogador chegou a ser convocado para os últimos amistosos da Seleção Brasileira, porém, acabou cortado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =